Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 20 de junho de 2018  


06/06/2018
2084: o ano que tudo deu certo - Reinaldo Figueiredo

Waldyrsson e seu filho estavam saindo da monumental Sala de Concertos Hamilton de Holanda. No passado, aquela construção tinha sido o Estádio Nacional de Brasília, também conhecido como Estádio Mané Garrincha ou "O Elefante Branco". Eles tinham acabado de assistir a um show multimídia de um jovem saxofonista chinês acompanhado pela OJB, Orquestra de Jazz Brasileiro, sob o comando do veterano maestro Carlos Malta, ainda em plena atividade com seus 124 anos de idade. E ali, caminhando no meio da multidão que saía calmamente da sala de concertos, o filho fez uma revelação que deixou Waldyrsson abalado.

"Eu não acredito no que você está falando!", disse Waldyrsson, em estado de choque. "Tem certeza de que você quer ser professor do ensino fundamental?"

"Tenho certeza, pai. Já decidi."

Waldyrsson ficou sem chão. Ele tinha criado aquele garoto para ser jogador de futebol e, se tudo desse certo, jogador da seleção brasileira. Mas no fundo ele sabia que, mais cedo ou mais tarde, esse problema ia acabar acontecendo com seu filho. Todos os garotos da idade dele tinham o mesmo sonho. Eles passaram a vida toda vendo, em todas as mídias, reportagens, documentários e hologramas mostrando os professores nos seus carrões, vestindo roupas caríssimas e sempre cercados de lindas mulheres. Já na década de 2060, o salário médio de um professor do ensino fundamental era 800 milhões de Surreais Novos.

"Meu filho, eu pensei que você fosse mais idealista. Eu sempre ensinei que não se deve dar tanta importância aos valores materiais. Sei que o salário de jogador não é tão bom assim, mas você não acha que é uma coisa sublime poder defender as cores da nossa bandeira?".

"Não adianta, pai".

Waldyrsson teve que reconhecer que estava parado no tempo. A situação socioeconômica do país tinha mudado muito desde a Copa do Mundo de 2038, quando o Brasil perdeu de 13 a zero para a seleção da Coreia do Norte... Waldyrsson passou alguns segundos perdido nesses pensamentos, mas logo voltou a prestar atenção ao que o filho falava.

"Eu já tomei a minha decisão, pai. Pensei bem e sei que vou me realizar plenamente na educação. E, além do mais, é um trabalho muito mais bem pago. Não se preocupe. Logo, logo eu vou poder comprar um carro novo para você e para mamãe. Um para cada um. E também um apartamento para vocês, em Paris...Um para cada um!"

"Tudo bem, meu filho", disse Waldyrsson, mais conformado, "mas não se esqueça de ajudar também o seu irmão mais velho. Aquele salário de senador não dá pra nada, coitado..."




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



19/06/2018 - A Copa do Mundo já não é a mesma - Juca Kfoury - Nunca cobri in loco uma Copa do Mundo dos chamados tempos...
18/06/2018 - Matou Stálin e foi ao cinema - Mario Sérgio Conti - "A Morte de Stalin" é insólito. Baseado numa história em...
15/06/2018 - Sem inteligência, Brasil não muda... - Jorge Serrão - O Brasil tem prazo de validade. Quem não encarar...
15/06/2018 - Cartas sobre a mesa - Vladimir Safatle - Cada dia que passa, fica mais evidente qual é...
15/06/2018 - Em Dublin no "Bloomsday" - Ruy Castro - Meio por acaso (o motivo da viagem era outro),...
12/06/2018 - À mercê de meliantes - Cláudio Abramo - Uma peculiaridade do grau de despolitização brasileiro é a...
12/06/2018 - Entre o divã e o hospício - Sérgio Rodrigues - O Brasil vai à Copa do Mundo da Rússia como quem se deita...
11/06/2018 - TSE permitirá a brincadeira de Lula? - Jorge Serrão - Disputando com a eleição fraudável com o beneplácito do...
11/06/2018 - Quase irresistíveis - Ruy Castro - Vi outro dia, num jornal, o anúncio de uma...
11/06/2018 - Nascem estrelas no fim do andar - Rubens Shirassu Júnior* - Numa das mais belas e tocantes metáforas do ato...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca