Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 15 de agosto de 2018  


04/06/2018
Presidente Audálio Dantas - Juca Kfoury

No último domingo (3) lembrei de Alberto Dines, que perdemos no último dia 22.

Nesta segunda-feira (4) volto a chorar a morte de amigo querido, Audálio Dantas, morto no dia 30.

Cheguei de volta ao país a tempo, ao menos, de vê-lo pela derradeira vez.

 O jornalista Audálio Dantas - Bruno Poletti/Folhapress

Audálio teve tanta valentia na vida que seu imenso talento como repórter, um dos maiores da imprensa nacional, acabou eclipsado pela bravura com que se comportou no episódio da tortura e assassinato de Vladimir Herzog.

Sem bravatas, sem um gesto demagógico, firme, mas prudente, não reconheceu a farsa oficial do suicídio e denunciou o assassinato.

Depois, articulou o culto ecumênico na Catedral da Sé celebrado por outros três gigantes --o cardeal de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, o reverendo presbiteriano James Wright e o rabino Henry Soebel.

Um quarteto à altura de Clarice Herzog, a viúva que virou símbolo da resistência pacífica e indignada contra a ditadura que começou a acabar ali, na Sé, copo prestes a transbordar como veio a acontecer em seguida, no assassinato do operário metalúrgico Manoel Fiel Filho, em circunstâncias semelhantes, nos porões da polícia política da ditadura.

Ao quinteto, lembrarei sempre, se junta a figura de Fernando Pacheco Jordão, também jornalista, também recentemente falecido, outro sinônimo de coragem e bom senso.

Nos sombrios dias da execução de Herzog, havia apenas dois lugares para alguém de oposição ao descalabro se sentir seguro em São Paulo: na Cúria Metropolitana com Dom Paulo e no Sindicato dos Jornalistas, que Audálio presidia, Presidente com P maiúsculo.

Audálio era também Ordélio, porque para mim ele não pedia, mandava.

Ao ser colhido pela notícia de sua morte estava ainda em férias, em Lisboa, jantando com amigos.

Eu sabia da proximidade do desenlace e quando viajei tinha mais ou menos claro que talvez não o visse mais vivo, mesmo porque voltei para embarcar em seguida em direção aos 40 dias de Copa do Mundo na Rússia.

Meu único consolo é o de ter cumprido à risca uma promessa feita a mim mesmo muitos anos atrás: sempre que estivesse numa cerimônia pública com Audálio presente, fosse qual fosse o motivo do ato, eu lembraria o papel dele na História recente do Brasil.

Porque quem o viu atuar naqueles dias terríveis de outubro de 1975 jamais esquecerá de seu medo, porque corajoso é quem vence o medo, medo de todos nós, de suas dúvidas, de como ouvia a todos, e de sua firmeza diante das decisões tomadas, sem uma provocação.

Audálio não sabia nomes de jogadores de futebol, mas era corintiano, "muito corintiano", segundo sua inseparável companheira Vanira Kunc.

E era extremamente brincalhão.

Não faz muito tempo participamos de um encontro de jornalistas em Tiradentes (MG) e resolveram nos homenagear com uma comenda.

Precavido, mas de má vontade, levei um paletó.

Antes da cerimônia perguntei como ele iria vestido e ouvi que que "de camiseta, porque tinha se esquecido da homenagem".

Solidário, e louco para me livrar do paletó num calor de rachar, informei que então eu também iria de camisa polo.

Eis que ao chegar ao local, entre dezenas de cidadãos engravatados, encontrei Ordélio trajado com elegante camisa social, às gargalhadas quando me viu, tamanha era a minha gafe, além de parecer desrespeito.

Por indignado que eu me fizesse, não havia como fazê-lo parar de rir, moleque aos quase 90 anos.

Audálio Dantas, Audálio, Audalíco, Ordélio, foi embora.

Mas não foi.

Porque, chavões à parte, exemplos como o dele ficam, o corpo vira cinzas e elas se espalham, levadas pelo vento do bem-aventurados, dos homens raros, daqueles que, de fato, fazem um país.

Audálio Dantas é um deles.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



14/08/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Pensamento...
14/08/2018 - Nascem estrelas no fim do andar - Rubens Shirassu Júnior - Numa das mais belas e tocantes metáforas do ato...
13/08/2018 - Uma fornalha chamada Terra - Clóvis Rossi - Os ponteiros do relógio da catedral de Utrecht, na...
13/08/2018 - Ainda o debate - Celso Rocha de Barros - O debate entre os presidenciáveis da última quinta-feira (9) na TV...
11/08/2018 - A coruja de Ipanema - Ruy Castro - Há um mês que a vemos, todas as manhãs,...
11/08/2018 - Macaco Simão...Urgente - De tanto botox, o Alvaro Dias ficou a cara...
09/08/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!É...
09/08/2018 - O previsível golpe da fraude eleitoral - Jorge Serrão - Lei existe para ser cumprida... Lei que precisa de...
07/08/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Piadas...
06/08/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!"Luiz...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca