Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 20 de abril de 2018  


16/04/2018
Alucinado estado de guerra - Rubens Shirassu Jr

Nenhuma história deve ter comovido tanto os leitores brasileiros, nos últimos anos, quanto à da jovem dependente química Heleninha, relatada de forma realista e comovente no romance Terror e Êxtase, pelo escritor, cronista e jornalista José Carlos Oliveira, o Carlinhos Oliveira. Assim como outras histórias igualmente trágicas – a da jovem alemã Christiane F e da brasileira Sandra Mara Hezer. – a de Heleninha, uma adolescente rica da sociedade carioca, de apenas 17 anos, moradora de Ipanema, choca, horroriza e revolta por tratar de alguém infelizmente muito próxima de nós. Helena é brasileira. Helena pode ser nossa irmã. Ou nossa filha. Ela segue ao lado do temido bandido 1001, ladrão e assassino criado na Baixada Fluminense, que aterroriza a zona sul do Rio de Janeiro e só faz aumentar a paixão que Heleninha sente por sua imagem de líder autoritário, frio, calculista e violento.

Terror e Êxtase é um novelo de relacionamentos, de comportamentos, em quilos de cocaína, em doses de bebidas, de violência, de desigualdades sociais e econômicas. Uma das raras vezes em que alguém tratou das populações invisíveis, discriminadas e marginalizadas e seus problemas sem falso moralismo, sem paternalismo. Seu retrato duro, seco como as pedras pintadas brotando dos corpos dos retirantes de Candido Portinari, atinge a violência de um soco no estômago, num tremendo impacto. Um crítico mordaz e impiedoso dos males de nosso tempo, servido por um amplo domínio dos recursos narrativos. Politicamente engajada, a ficção de Oliveira não tem conotações partidárias ou doutrinárias, estando mais comprometida com a política dos cidadãos do Brasil, suas frustrações, suas mazelas, suas esperanças, seus anseios de independência e de liberdade.

No romance policial, Oliveira não deixa qualquer resquício de sua vida privada. Essa obra, o autor, com sua argúcia de jornalista e sua experiência de comportamentos sociais auridas nos bares da vida, irá tratar, pioneira e premonitoriamente, do conluio entre a criminalidade dos morros e a sociedade carioca. E fundamentalmente, denuncia uma rede maior de poder paralelo, que inclui política e economia, que dá as cartas nesse jogo perigoso. Sem ser um livro que reflete determinada época, mesmo sendo publicado em 1977, ele retrata o Rio de Janeiro de hoje, pois é uma completa, cortante e reveladora dissecação da face obscura e babilônica da cidade maravilhosa. Demonstrando o puro marketing das agências de propaganda, em parceria aos meios de comunicação, às redes sociais, aos setores turístico sexual, hoteleiro, da diversão, do entretenimento e da especulação imobiliária. Mas cabe ressaltar que Oliveira, ao buscar verossimilhança total, um “desenho lógico” perfeito em sua obra literária, costurando causa e efeito.

Toda a arquitetura do romance, alternando capítulos de uma nudez realista densa com outros carregados de pathos, num simétrico jogo de trevas e luz, conduz num crescendo, o foco da narrativa para o desenlace dramático. A cena que pinta, ao final do livro, quando o bandido 1001, ao se explicar para Betinho: - “Desculpe o mau jeito, garotão, mas guerra é guerra!” E esta não é a sensação que temos na atualidade? A voltagem sobe, pois emblematiza a frieza e a crueldade de uma sociedade vertiginosa em torno da velocidade de viver a vida de poder e riqueza (afluência), sem dar a mínima para as questões “menores impalpáveis”, para a ressocialização, enfim, para o destino dos protagonistas que seria selado, ali, próximo, bifurcando em dois caminhos fatais: no fórum da cidade: descartáveis indo para a condenação à prisão ou no cemitério sob uma cruz.

Um livro para pais, filhos e educadores lerem juntos. Uma história inesquecível, iluminada e inteligente. Por outro lado, uma constatação tão amarga, pela inércia, pela apatia, pelo completo desinteresse das classes políticas e de dirigentes. Eles não querem discutir esse assunto. Eles não querem “perder tempo” com esse tipo de coisa: seres humanos. Devia ser lido em audiência, além de esfregado na face de todos: magistrados, autoridades, policiais, advogados, ainda que calejados pelo horror dos ignorantes e dos comodistas, com ou sem poder. Não existem inocentes. Porque o alto teor de densidade e crueldade de Terror e Êxtase deixa marcas profundas que doem como ferro em brasa. E Oliveira tira da vida o documento mais pungente. Ele representa na Literatura Brasileira de hoje a juventude que se dilacera, na tristeza e no desencanto.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



16/04/2018 - Candidato de centro pode ganhar o Planalto... - Vinicius Motta - O Datafolha deste domingo (15) mostra que a prisão de Lula não intensificou os vetores...
14/04/2018 - Corrida maluca com Lula em cana e sem cana - Jorge Serrão - A Marinha – onde Lula preferia estar preso –...
14/04/2018 - Sempre cronista de si mesmo - Rubens Shirassu Jr - Em dezembro de 1985, o cronista, romancista e jornalista...
13/04/2018 - O silêncio de Temer e o coronel - Bruno Boghossian - Passaram-se 316 dias desde que a Polícia Federal chamou...
13/04/2018 - Longelândia - Sérgio Rodrigues - O primeiro fato a ser destacado sobre Longelândia é...
11/04/2018 - Temer sabia o tamanho da encrenca - Elio Gaspri - Em junho do ano passado, o presidente Michel Temer...
10/04/2018 - Século errado - Helio Schwartsman - O discurso de resistência ao golpe que o PT...
10/04/2018 - Frente pela democracia - Nabil Bonduki - A frustração com a política, a polarização extremada e...
09/04/2018 - Só golpe no STF pode soltar Lula - Jorge Serrão - “Petistas, quando passar a sua mágoa, juntem-se a nós...
08/04/2018 - Bolsonaro nas terras do rei Lula - Vinicius Torres Freire - Com ou sem Lula na disputa, é no Nordeste...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca