Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 20 de junho de 2018  


13/01/2018
Câncer social, facebook... - Roberto Dias

O Facebook foi muitas vezes rotulado de "buraco negro da internet". Um ambiente cercado, que cresce sem parar, invisível para quem está do lado de fora.

O buraco se tornou imenso. E com ele, foi ficando claro, cresceu um câncer social.

Cresceu tanto que o Facebook resolveu cortar na carne. É disso que se trata o anúncio feito na noite de quinta (11) por Mark Zuckerberg, fundador da empresa.

O feed de cada usuário passará a privilegiar conteúdo compartilhado por amigos, em detrimento das páginas de marcas –como são os veículos de comunicação.

O corte na própria carne é explicitado pelo próprio Zuckerberg: "Quero deixar claro que, com essas mudanças, espero que o tempo gasto pelas pessoas no Facebook e algumas métricas de engajamento caiam". As ações da empresa baixaram quase 5%.

É um movimento defensivo. O Facebook virou a primeira fonte de notícias para muitas pessoas, e a responsabilidade decorrente disso se mostrou um fardo grande demais. Sem ter criado mecanismos eficientes para distinguir o que é jornalismo e o que é propaganda mentirosa, a empresa se converteu num problema para a democracia.

As chamadas fake news envolvem política e dinheiro sujo. Significam colocar Donald Trump na Casa Branca. Transportam seus executivos para comitês parlamentares de investigação. Atraem policiais, procuradores e juízes. É compreensível que o Facebook queira distância de toda essa péssima reputação.

A questão é como fazê-lo.

Os movimentos da empresa contra notícias falsas sempre passaram muito longe dos lugares-chave para a solução do problema: os motores financeiro e técnico das mentiras. Porque tocar nesses dois pontos exigiria mexer no modelo que fez do Facebook uma empresa que fatura mais de US$ 30 bilhões –e quem é que quer isso?

O que a plataforma fez nos últimos tempos foram coisas que, apesar dos holofotes, têm consequência reduzida. São bandeirinhas para indicar notícias questionáveis, cursos sobre a importância do jornalismo, anúncios explicando onde mora o perigo.

A rede social agora se distancia do jornalismo. Não será um movimento sem baixas. Muitos veículos de comunicação dependem sobremaneira do Facebook para ter audiência. Em alguns países o ecossistema inteiro do jornalismo pode ser afetado.

Com a palavra, o próprio Zuckerberg, só que o Zuckerberg de um ano atrás: "Uma indústria de notícias forte é decisiva para uma comunidade informada. Dar voz às pessoas não é suficiente se não houver pessoas dedicadas a buscar informações e a analisá-las. Há mais coisas que precisamos fazer para apoiar a indústria jornalística e fazer com que essa função social vital seja sustentável".

Essa máscara caiu com o anúncio de agora. Ler notícias, diz o Zuckerberg deste ano, "tem sido muito frequentemente apenas uma experiência passiva". Neste momento, ele quer "interações sociais significativas".

Concepção que envolve uma régua sobre o jornalismo, como notou Joshua Benton, diretor do Nieman Lab, centro de estudos sobre a mídia: "A ideia de que a importância de uma notícia é definida pelos comentários, que não há valor em receber uma informação sem antes entrar num debate com seu tio, isso é na verdade uma declaração profundamente ideológica".

Assim, e paradoxalmente, um efeito possível de imediato é que as notícias falsas ganhem espaço, ficando relativamente mais visíveis no newsfeed das pessoas. É muito mais fácil interagir com uma mentira divertida sobre Bolsonaro do que encarar uma reportagem dissecando seu patrimônio. Bem capaz de vir mais Flá-flu por aí.

No buraco negro de Zuckerberg, parece não haver lugar para o bom jornalismo. No curto prazo, certamente é péssima novidade para muita gente da minha profissão. Olhando um pouco mais adiante, talvez seja uma ótima notícia para a sociedade. Ter um ator tão poderoso em algo importante como o jornalismo nunca foi bom.

 




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



19/06/2018 - A Copa do Mundo já não é a mesma - Juca Kfoury - Nunca cobri in loco uma Copa do Mundo dos chamados tempos...
18/06/2018 - Matou Stálin e foi ao cinema - Mario Sérgio Conti - "A Morte de Stalin" é insólito. Baseado numa história em...
15/06/2018 - Sem inteligência, Brasil não muda... - Jorge Serrão - O Brasil tem prazo de validade. Quem não encarar...
15/06/2018 - Cartas sobre a mesa - Vladimir Safatle - Cada dia que passa, fica mais evidente qual é...
15/06/2018 - Em Dublin no "Bloomsday" - Ruy Castro - Meio por acaso (o motivo da viagem era outro),...
12/06/2018 - À mercê de meliantes - Cláudio Abramo - Uma peculiaridade do grau de despolitização brasileiro é a...
12/06/2018 - Entre o divã e o hospício - Sérgio Rodrigues - O Brasil vai à Copa do Mundo da Rússia como quem se deita...
11/06/2018 - TSE permitirá a brincadeira de Lula? - Jorge Serrão - Disputando com a eleição fraudável com o beneplácito do...
11/06/2018 - Quase irresistíveis - Ruy Castro - Vi outro dia, num jornal, o anúncio de uma...
11/06/2018 - Nascem estrelas no fim do andar - Rubens Shirassu Júnior* - Numa das mais belas e tocantes metáforas do ato...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca