Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca

O que você espera de 2017?

 
ver todos os resultados
 
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 17 de dezembro de 2017  


30/11/2017
Brasília não tem medo da ruína - Vinicius Torres Freire

Conversar com deputados dá uma sensação de irrealismo agoniado, ainda mais neste clima de últimos dias de paupérie, de começo de fim de governo na pindaíba, em que todo o tempo é consumido por arranjos da eleição, clima de Terça-Feira Gorda, "é hoje só", de últimos dias da liquidação de votos na bacia dos lobbies.

A conversa é sobre reforma da Previdência. O irrealismo é do jornalista, que trabalha em São Paulo e, mesmo depois de décadas neste serviço, ainda não se habituou à ideia de Brasília.

Os deputados são de um realismo chão, nu e cru: estão com a maioria dos eleitores, contra a reforma. Dizem que já deram sua cota de sacrifício, por assim dizer: teto de gastos, reforma trabalhista, "injustiças" da Lava Jato.

Não tiveram retorno em termos de popularidade, emendas e prebendas.

Sim, é simples assim, sempre foi. A leitora, que é perspicaz, sabe. Mas ainda é estranha a atitude impassível quanto ao risco de ruína lenta, segura e gradual, daqui a uns dois anos.

As conversas são com parlamentares de quatro partidos do centrão e do PSDB, embora a distinção entre centristas e a maioria dos tucanos pareça borrada. Os deputados parecem inamovíveis, indiferentes à sugestão de futuro próximo sombrio. Dizem que não vai ter voto pela reforma.

Disseminou-se uma conversa que apareceu na última quinzena, quando o governo mudou sua "estratégia de comunicação", sua propaganda.

Quase todo deputado conta a mesma história: é preciso esperar o efeito da campanha governista, ver se o povo compra a reforma, confirmação que vai demorar, dizem. Portanto, apenas em fevereiro os deputados poderiam pensar em mudar seu voto
.
Os deputados têm o receio óbvio de perder a reeleição, notório desde abril, gritante depois de maio, quando se associar ao Michel Temer dos escândalos e das reformas se tornou o beijo da morte na urna. Nesta semana, porém, eram mais notáveis também os comentários sobre a situação dos servidores.

Há pressão política, sindical, mas também simpatia genuína, digamos, e interesse familiar e de grupo. A parentela parlamentar tem montes de servidores; amigos e eleitores especiais da "base" são funcionários.

O PSDB, que há 20 anos ainda parecia o "partido das reformas", negocia emendas para favorecer servidores federais admitidos antes de 2003, os trabalhadores com as aposentadorias mais privilegiadas do país, quiçá do planeta. O adiamento do reajuste dos servidores, parte do pacotinho fiscal de agosto, também está para mergulhar no vinagre.

No mais, o clima, ressalte-se, é de Terça Gorda, "é hoje só": no ano que vem, quase não tem mais governo ou votação importante. Deputados querem ficar bem com ruralistas, concedendo-lhes perdão de dívidas previdenciárias, e com pequenas e microempresas, para quem haverá Refis. Etc.

Pode passar alguma coisa? Rodrigo Maia, presidente da Câmara, volta a se embevecer com a ideia de suceder Temer. Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, começou a campanha para valer. Temer quer ter algum controle sobre sua sucessão e seu foro em 2019. O trio pode fazer mágicas e milagres a fim de aprovar alguma coisa. Mas o clima em Brasília é de realismo nada fantástico.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



16/12/2017 - Ricos do Brasil, o seu candidato só pode ser o Lula - Clóvis Rossi - Se eu fosse rico, torceria para que Luiz Inácio...
15/12/2017 - Daqui não saio...! - Bernardo Mello Franco - A ministra Luislinda Valois não quer desgrudar da cadeira....
14/12/2017 - A crise brasileira e o passado... - Clóvis Rossi - Todo o formidável progresso dos últimos 50 foi incapaz...
13/12/2017 - Muito além da mala - Bernardo Mello Franco -  Um homem sai apressado de uma pizzaria nos Jardins....
13/12/2017 - Lula é candidato a não ser candidato - Jorge Serrão - É hora de meter a mala e falar a...
12/12/2017 - A inspeção veicular não pode ser outro propinoduto - Jorge Serrão - O Brasil tem o vício maldito de copiar idéias...
11/12/2017 - Aldous Huxley e Shakespeare - admirável mundo novo ----- Theófilo Silva - A belíssima sentença Admirável Mundo Novo, que dá título...
10/12/2017 - O marechal Castelo Branco criticou a fúria carcerária - Elio Gaspari - Em maio de 1965, um coronel que chefiava inquéritos...
10/12/2017 - A complexidade da simplicidade - Carlos SA - “SÁBIO É AQUELE QUE CONHECE OS LIMITES DA PROPRIA...
10/12/2017 - Este Brasil - Janio de Freitas - Ninguém, parece mesmo que ninguém, tenta pensar o Brasil...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca