Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 19 de dezembro de 2018  


27/12/2017
Solidão na noite de Natal - Por Jacob Fortes

Jacob Fortes de Carvalho, de Sobradinho

Na noite de NATAL de 2017 recebi um telefonema de uma ledora dos meus escritos. Durante a conversa, que encerrava congratulações natalinas, foi possível perceber que a telefonadora privava da companhia não unicamente de sua  árvore de natal, (de luzes tão intermitentes quanto os faróis dos pirilampos erradios, nas noites,) mas também de outra companheira: a solidão. Dava até para ouvir, se é que isso é possível, a respiração desta companheira, ora infamada, ora exaltada. A circunstância instou-me a suscitar considerações acerca da solidão cujos sintomas, pelo que dizem, encerram sensação de vazio, de tristeza, de isolamento.

Embora muitos a tenham como ser malévolo outros a consideram benévola. Essas posições antagônica faz lembrar a teoria da motivação humana: o que motiva José não motiva Maria. A escritora Clarice Lispector afirma que a solidão é um luxo. Bilac dizia que a solidão afeia as pessoas. Há quem diga que  a solidão é a melodia silenciosa do vento. O filósofo alemão Friedrich Nietzsche, que trazia consigo o princípio da cautela insistia em tom de convicção: "Não me roube a solidão sem antes me oferecer verdadeira companhia." Outras vozes são de parecer  que a presença da solidão permite ao homem encontra-se consigo. Ao opinar sobre a solidão assim se manifestou o poeta José Fernandes:

O mal que a solidão faz não se cura com dinheiro.

Trabalho de macumbeiro, plantações medicinais.

Cessões espirituais, conteúdo de oração.

Troca de religião e nem receita de doutor.

Dê uma esmola de amor às vítimas da solidão.

Quanto ao que me parece acerca do tema prefiro aguardar. Apenas fio-me que esse fenômeno (que impinge tristeza a muitos) não tome o alvitre de vir juntar-se à manada de malfeitores que deliberaram fazer do meu cangote o seu rancho.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  

COMENTÁRIOS
Enviado por: jose leitao - E-mail: leitaozinhodf@gmail.com

Caro Jacó, independente de quem se arranche em seu cangote, o texto é bom e oportuno. Nietzche foi exato. Eu apenas citaria, da sabedoria baiana, que "tudo muito é demais". Grato pelo texto e bom ano prá voce.



12/12/2018 - Que venha um novo ano de paz e união - Glailson Capucho - Que o ano que encerra tenha nos trazido aprendizados....
22/11/2018 - Muita música no Arte na Praça e sessão de autógrafos do livro "Caminhar" de Tarcísio Pádua -  Maior projeto artístico-musical de Sobradinho também contará com oficinas,...
10/11/2018 - Caminhar, o livro, o poeta - José Ahyton da Silva -   Tarcísio Pádua é esta personagem que além de...
06/11/2018 - A pergunta que não quer calar - Carlos SA - “Não tenho medo da morte, mas medo de morrer...
02/11/2018 - Achados e perdidos - Por Jacob Fortes - Procura-se uma escola que desapareceu numa aldeia chamada BRASIL;...
30/10/2018 - "Eu me basto - Por Jacob Fortes - Na literatura de administração há um singular “estudo de...
26/10/2018 - Sinceridade Lastimável - Por Jacob Fortes - A franqueza em linha reta é mais proveitosa que...
17/10/2018 - À Comunidade - Prof. José Ahyrton da Silva -    Olá caríssimos professores da nossa querida Sobradinho, quero...
09/10/2018 - Cansei! - Por Jacob Fortes - Enquanto os cientistas políticos se detêm e se enfadam...
01/10/2018 - Eu quero papai - Por Jacob Fortes - “Pelo voto a gente escolhe, de maneira definitiva e...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca