Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 17 de novembro de 2018  


14/11/2018
Ativismo e vida sexual clandestina - Rubens Shirassu Júnior

A ideia original partiu de conhecer o Brasil na qual está inserido. É um país desconhecido, ao qual não se dava a menor importância. Se existiam traços desta nação, não havia uma história sistematizada. Por pura solidão, uma sensação profunda de exílio, muito comum a muitos homossexuais e muita gente da comunidade LGBT, o escritor e jornalista João Silvério Trevisan embarcou na escritura do livro Devassos no Paraíso, uma viagem bastante complexa, também com atualizações que trabalhou por vários anos. Entre as atualizações se destaca todo o desdobramento da teoria queer, uma coisa imprescindível que aconteceu no século 21. E veio dar subsídios conceituais importantes à comunidade, especialmente na questão transgeneridade, que iluminou de uma maneira muito profunda e inovadora todo o relacionamento com os corpos pessoal e político, situado em uma sociedade. Acabou sendo uma resposta pessoal que a comunidade pode compartilhar.

O livro tem duas novas partes, em torno de 200 páginas acrescentadas nas atualizações, um elemento delas. Sintoma de como a comunidade LGBT tem tomado posicionamentos políticos de uma maneira incomparável a qualquer outro momento da história brasileira. Nota-se a comunidade tão politizada, mas não em um sentido partidário, porque essa é outra borra. Confunde-se politização com tomar partido. As aquisições novas estão dentro do livro. Nas notas, o escritor faz uma referência sobre usar “os travestis”. Falava-se “os travestis” (e não “as travestis”) porque as próprias se chamavam no masculino. Se mudasse estaria distorcendo a história da homossexualidade e do movimento LGBT no Brasil. Trevisan sabe que não pode contar a história de uma forma que a distorça. Se esta história foi equivocada, ou se inclusive teve laivos de preconceito, é importante que seja exibida, que a história desse preconceito esteja presente. Devassos no Paraíso, um testemunho disso.

O feminino de fato ocupou um espaço que lhe era devido, mas que não lhe era permitido. Entre homossexuais masculinos, o feminino sempre foi uma questão fundamental rejeitada. Nos anos 70 era frequente a ideia de que as bichinhas que desmunhecavam estavam fazendo um desfavor para a comunidade porque viveriam um estereótipo. A grande mudança hoje, inclusive com o trabalho fantástico das feministas, na luta e elaboração de conceitos à revelia do masculino, acaba entendendo um pouco mais do papel do feminino nas homossexualidades e nas várias identidades LGBTs. Houve um processo de compreensão complicadíssimo até chegar a esse ponto, mas agora, obviamente, o papel do feminino é super bem recebido e acolhido. A teoria queer propõe que drag queens e travestis são, em nossas sociedades, uma comprovação de que os gêneros são criações culturais. Elas estão o tempo todo fazendo variações de gênero em cima dessa obscuridade, dessas performances a que se refere a Judith Butler. Todas as questões de gênero se transformam em questões variáveis, sem nenhuma sedimentação.

No livro, o escritor cita dados contra a ideia de que o brasileiro é hipersexual e relatos de devassidão. E não tem nenhuma conclusão sobre a sexualidade brasileira, por acreditar que a mesma faz parte de um caráter brasileiro que Roger Bastide definiu em uma citação publicada na obra: “Para compreender o Brasil é preciso ser poeta”. As definições que existem em sociologia são muito difíceis de aplicar em um país como o Brasil, não porque ele seja especialmente bacana, mas porque é especialmente complicado, e especialmente indefinível. Cita também Drummond: “O Brasil é um ponto de ver e não de ser”, pois toda a identidade brasileira se mostra periclitante, e isso se aplica à vivência sexual. Somos um povo com um número espantoso, imenso de homens que vivem uma vida homossexual clandestina e que caracteriza bissexualidade. Mas muitos não se consideram bissexuais. São heterossexuais que fazem escondido sexo com homens. Eles fazem isso com um sentimento de culpa, ou criaram, inclusive, um formato de sexualidade que absorveu essa contradição. Os casos relatados por estrangeiros são a ponta do iceberg e se confrontaram com essa situação.

Hoje existem informações muito maiores que possibilitam fazer escolhas melhores, mas tem muita gente que prefere não escolher no Brasil. E isso ainda hoje é uma questão que perturba estrangeiros que vêm para cá. É uma vida sexual subterrânea, que talvez faça parte do jeitinho brasileiro. O livro traz relatos de estrangeiros que vieram ao Brasil e viveram aventuras sexuais e afetivas. O que eles revelam? Revelam uma coisa que nosso olhar não consegue ver. Muito frequentemente há um distanciamento mais abrangente do que o olhar de quem está de cara com a situação. Às vezes percebem coisas que nem nós (brasileiros) damos conta pela familiaridade do cotidiano, e que para eles são narrativas absolutamente novas e surpreendentes.

 

DEVASSOS NO PARAÍSO

A Homossexualidade no Brasil, da Colônia à Atualidade

João Silvério Trevisan

4ª edição, revista e ampliada

726 páginas

Editora Objetiva




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



13/11/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Piadas...
13/11/2018 - Acordando com o rádio - Ruy Castro - Nesta época de redes sociais, ainda sou dos que...
10/11/2018 - F65.0 Hélio Schwartsman - F65.0 é o código da CID-10 (Classificação Internacional de...
05/11/2018 - O Pavão - Rubem Braga - Eu considerei a glória de um pavão ostentando o...
30/10/2018 - Gritos na noite... - Renato SantAna - Assombroso! Às 22:10 da noite deste 28/10/2018, poucas horas...
30/10/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente!O esculhambador-geral da República! Sensacionalista:...
29/10/2018 - Não é este o Brasil que eu quero - Por Jacob Fortes - O agricultor Januário, possuidor de uma modesta gleba, ”Engenho...
27/10/2018 - Macaco Simão...Urgente - Pra votar no Bolsonaro tem que apresentar diploma de...
27/10/2018 - Crapulices de Capa e Espada - Mário Sérgio Conti - O que acontecerá amanhã é produto da crise econômica...
23/10/2018 - Macaco Simão...Urgente - A situação está um psicodrama escalafobetico! Rarará!    Buemba! Buemba! Macaco...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca