Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 19 de julho de 2019  


11/07/2019
João Gilberto... - Ruy Castro

Ruy Castro

A música popular, de toda parte, não tem muitas alternativas. Ou é romântica —dolente, de frases longas, tristes ou sensuais, para dançar de rosto colado ou fazer chorar—  ou é sincopada, alegre, de frases curtas e ágeis, para dançar agarradinho ou com todo o respeito, mas sempre como quem não leva o amor ou a conquista muito a sério. De 1902, quando a indústria do disco se instaurou aqui, a 1930, o Brasil produziu grande música nas duas categorias.

No departamento romântico, havia as modinhas, valsas, canções, cançonetas, toadas, foxes, choros, serenatas e suas inúmeras combinações, a cargo de artistas como Catullo da Paixão Cearense, Patápio Silva, Mario Pinheiro, Eduardo das Neves, Pixinguinha, Vicente Celestino, Freire Júnior, Patrício Teixeira, Gastão Formenti, Augusto Calheiros, Jorge Fernandes, Luiz Americano. No da música sincopada, havia os tangos, polcas, mazurcas, chótis, quadrilhas, dobrados, frevos, maxixes, batuques, emboladas, cocos, cateretês e, apenas começando, as marchinhas de Carnaval —tudo isso de e por Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth, Anacleto de Medeiros, Baiano, Donga, Eduardo Souto, Freitinhas, Sinhô, Francisco Alves, Aracy Côrtes, Lamartine Babo, João de Barro e muitos mais.

Por volta de 1928, um gênero deixou de ser somente dança, perdeu o sotaque de maxixe e se impôs: o samba. E já surgiu comportando as duas grandes águas: o romântico, que resultou no samba-canção, e o sincopado, que deu no samba de bossa —moleque, malicioso, quase canalha. Ambos tiveram praticantes ilustríssimos. O samba-canção produziu compositores como Ary Barroso, Noel Rosa, Vadico, Dorival Caymmi, Lupicínio Rodrigues, Herivelto Martins, Antonio Maria, Tito Madi, Dolores Duran, Tom Jobim, Nelson Cavaquinho, Cartola, uma multidão —alguns, como Ary, Noel e Caymmi, praticaram a dupla militância. E o samba de bossa gerou um repertório que, entre 1930 e 1960, consagrou cantores como Mário Reis, Carmen Miranda, Aracy de Almeida, Cyro Monteiro, Vassourinha, Os Anjos do Inferno, Lúcio Alves, Os Cariocas, Doris Monteiro, Johnny Alf e outra multidão.

João Gilberto sabia essa história de cor —música, letra, harmonias, arranjos, orquestrações. Mas, pela quantidade de fabulosos sambas de bossa que incluiu em seus discos (alguns, várias vezes), pode-se garantir que era o ritmo que ele preferia. Era o que lhe permitia fazer as brincadeiras de voz e violão que estavam na essência de seu estilo. E a bossa, pode reparar, é sempre uma brincadeira.

Exemplos: "Samba da Minha Terra" (1940), "Acontece que Eu Sou Baiano" (1943), "Doralice" (1945) e "Lá Vem a Baiana" (1947), de Dorival Caymmi; "Morena Boca de Ouro" (1941), "Isto Aqui o Que É?" (1942) e "É Luxo Só" (1957), de Ary Barroso; "Isaura" (1945), de Herivelto Martins e Roberto Roberti; "Da Cor do Pecado" (1939) e "Curare" (1940), de Bororó; "Trem de Ferro" (1943), de Lauro Maia; "Sem Compromisso" (1944), "Falsa Baiana" (1944) e "Bolinha de Papel" (1945), de Geraldo Pereira; "Eu Sambo Mesmo", "Eu Quero um Samba" e "Pra que Discutir com Madame?" (1945), de Janet de Almeida e Haroldo Barbosa; "De Conversa em Conversa" (1947), de Haroldo Barbosa e Lucio Alves; "O Pato" (1950), de Jayme Silva e Neuza Teixeira; "Adeus, América" (1948) e "Tin-tim por Tin-tim" (1951), de Geraldo Jacques e Haroldo Barbosa.

Todos estes, grandes sambas "de bossa". E, como se vê, compostos até 1951 —a única exceção, "É Luxo Só", de Ary Barroso e Luiz Peixoto. É como se, para João Gilberto, nos anos 1950, o Brasil tivesse desaprendido a fazer os sambas desse tipo.

E, como essa bossa lhe parecesse esgotada ou esquecida, ele se sentiu obrigado a trazê-la de volta --e a criar uma bossa... nova.Encaminhado por Carlos SA.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



15/07/2019 - Velhxs - Fernanda Torres - Você percebe que envelheceu quando alguém que conheceu bebê...
13/07/2019 - Que venha a cerveja 100% milho - Marcos Nogueira - Fez muito barulho a assinatura, pelo presidente Jair Bolsonaro,...
11/07/2019 - Pelo direito ao porte de livro - Reinaldo Figueiredo - Com a realização de mais uma Festa Literária Internacional de...
02/07/2019 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!...
02/07/2019 - O analfabeto ambiental - José Leitão - Parodiando Brecht ouO ANALFABETO AMBIENTALO Analfabeto Ambiental vê apenas...
28/06/2019 - O pão e a cocotinha - William Santiago -        Um dos indícios da idade, fora...
24/06/2019 - O crime de Moro - Plácido Fernandes - No Brasil, trava-se claramente uma guerra jurídica de grandes...
21/06/2019 - Aquecimento Global - Someni Sengupta (The New York Times) - A mudança climática está "comendo" as geleiras do Himalaia,...
17/06/2019 - Vermelhos - Fernanda Torres - Apavorada com os rumos do país e do planeta,...
15/06/2019 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Greve...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca