Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 19 de dezembro de 2018  


21/11/2018
A "sala vermelha" da tortura - Elio Gaspari

Baseado em documentos da Justiça, o repórter Rafael Soares mostrou que quatro cidadãos presos na madrugada de 20 de agosto durante uma operação militar em favelas da Penha, no Rio de Janeiro, denunciaram torturas sofridas num quartel da 1ª Divisão de Exército. 

Eles teriam sido levados para uma "sala vermelha", onde três pessoas com os rostos cobertos e sem fardas deram-lhes "madeiradas" e chicotearam-nos com fios elétricos.

Um deles informou que a sessão durou cerca de 20 minutos. Todos eram interrogados para identificar traficantes da região. O grupo permaneceu no quartel por 17 horas, até ser levado para uma delegacia. Continuam presos, acusados de traficar drogas.

Durante a operação nas favelas da Penha, do Alemão e da Maré, traficantes mataram um cabo e dois soldados do Exército. Foram presas 86 pessoas e apreendidos 15 fuzis, 27 pistolas e 11 granadas de mão. 

A despeito das baixas, essa pode ter sido a ação mais eficaz das forças da ordem desde o início da intervenção militar na segurança do Rio. 

Num primeiro momento, a denúncia dos presos levados para o quartel da 1ª DE foi desprezada. Depois que surgiram novas informações, o comando militar decidiu investigar o caso.

Desde fevereiro, quando sete pessoas foram mortas no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, paira sobre uma tropa do Exército a suspeita de ter praticado uma chacina. No caso, poderia ter havido um confronto, mas ainda não se sabe o que aconteceu. 

Na denúncia da tortura da "sala vermelha", os presos teriam conexão com o tráfico e um deles é reconhecidamente viciado, mas o episódio teria ocorrido dentro de um quartel do Exército.

Está sobre a mesa dos comandantes militares a questão do esclarecimento das denúncias. A sabedoria convencional mostra que em certas épocas uma enorme parcela daopinião pública defende uma política de "mata e esfola". Quando a maré vira, aqueles que ontem eram festejados como vingadores passam a ser vistos como torturadores. 

Em 1974 os jornalistas credenciados na Secretaria da Segurança de São Paulo escolheram os melhores policiais do ano e o delegado Sérgio Fleury ficou em quarto lugar.

O acobertamento de violências corrói a disciplina militar. Só isso explica por que em 1943, no meio da guerra, o general Dwight Eisenhower ordenou ao seu amigo George Patton que se desculpasse diante da tropa formada por ter esbofeteado um soldado que, a seu ver, se acovardara. Patton comandava os gloriosos blindados americanos que entrariam na Alemanha.

Quando o torturador vê que seus superiores negam ocorrências das quais participou, passa a crer que faz parte de uma elite onipotente e inimputável. Além disso, o acobertamento cria uma trama de cumplicidades que se infiltra no serviço público, no Judiciário e mesmo na imprensa. 

O espírito de corpo que a princípio acoberta defensores de uma ordem específica acaba se transformando num estímulo à ilegalidade, levando agentes para outras formas de delinquência. As cumplicidades criadas na administração do Rio de Janeiro e de alguns outros estados explicam boa parte da anarquia de seus sistemas de segurança.

A "tigrada" francesa que nos anos 50 baixou o pau na Argélia e varejou comunidades árabes terminou seus dias tentando matar o presidente Charles De Gaulle. A brasileira explodiu no estacionamento do Riocentro. 

Num livro intitulado "Torture", o professor americano Edward Peters tratou dessa questão com magistral clareza ao informar: "O futuro da tortura depende do futuro do torturador". Se ele é aplaudido e promovido, ela se espalh. Se ele é condenado ela acaba.Encaminhado por Carlos SA.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



18/12/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Frase...
18/12/2018 - Telma Rufino perde vaga para Jaqueline Silva na CLDF - Em uma reviravolta que surpreendeu o meio político, o...
17/12/2018 - ...ainda Paris - Vladimir Safatle - Não deixa de ter sua ironia o fato de...
17/12/2018 - Paris e os coletes amarelos - Laura Carvalho - Em mais uma tentativa de resposta aos acalorados protestos...
16/12/2018 - Preso médium - O médium João de Deus, que se entregou às...
16/12/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Tudo...
14/12/2018 - Geleia Geral: história sem arremate - Rubens Shirassu Júnior* - Em 1980, com o fim da censura no país,...
10/12/2018 - Saudades do Brasil - Ruy Castro - Mais um conhecido meu se mudou para Portugal. Nos últimos...
05/12/2018 - O Dono do Mar - William Santiago -  Um dia, eu lhe disse:     - Vamos conhecer...
03/12/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República! Resumo...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca