Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 17 de janeiro de 2019  


02/08/2018
Hélio Bicudo - Flávia Piovesan

A devoção à causa dos direitos humanos foi a expressão maior da vida de Hélio Bicudo

Nos anos 70, como promotor de justiça, assumiu com o desafio de combater o chamado “esquadrão da morte”. 

Investigou a violência de agentes policiais que despejavam cadáveres de criminosos comuns ou acusados de cometer delitos nas periferias. 

Em suas memórias, Bicudo confidenciou que a consciente decisão de romper com uma atuação meramente burocrática no Ministério Público foi inspirada por um artigo de Miguel Reale, publicado em 1969, em que, ao tratar do esquadrão da morte, realçava: “Creio que já silenciamos em demasia e devemos todos nos penitenciar de tão longa omissão”.

Foi com a mesma convicção que Bicudo teve destacada atuação nos poderes Legislativo e Executivo.

Deputado por dois mandatos sucessivos pelo PT, centrou seus esforços em propostas visando reformas institucionais.  

Lutou pela mudança do Judiciário, guiado pela ampliação do acesso à justiça e por transformar o STF em verdadeira corte constitucional. Lutou pela reforma da segurança pública, advogando a desmilitarização da Polícia Militar e sua desvinculação do Exército, a profissionalização da Polícia Civil e a unificação de ambas. 

Em 1996 foi aprovada a chamada “Lei Bicudo” (Lei n.9.299/96), que finalmente transferiu da Justiça Militar para a Justiça Comum o julgamento dos crimes dolosos contra a vida cometidos por policiais militares, constituindo um importante avanço no combate à impunidade.

Na Câmara dos Deputados foi presidente da Comissão de Direitos Humanos, tendo promovido a realização de um tribunal simbólico para demandar a punição dos responsáveis pelos massacres de sem-terra de Corumbiara e Eldorado do Carajás. Presidiu, ainda, um Tribunal Interamericano sobre o Trabalho Infantil nas Américas.

No Executivo, atuou no governo Carvalho Pinto, que, no marco das inovações do planejamento estratégico, veio a criar a Fapesp —Fundo de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. 

Na gestão municipal de Luiza Erundina (PT), assumiu a Secretaria Municipal dos Negócios Jurídicos e na de Marta Suplicy foi vice-prefeito, contribuindo com a fundação da Comissão Municipal de Direitos Humanos de São Paulo, em 2002. 

Participou ativamente da criação do PT em 1980, tendo sido dirigente nacional e municipal do partido e membro da Direção Nacional por 18 anos, tendo deixado o partido em 2005.

Já nonagenário, foi um dos signatários da ação que provocou o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), o que surpreendeu antigos aliados de esquerda.  

Na área dos direitos humanos, dedicou-se ao Centro Santo Dias, fundado em 1980, para socorrer as vítimas de violência policial. 

Também atuou junto à Comissão Teotônio Vilela, criada em 1983, tendo como objetivo maior combater a violência nas delegacias, cadeias, penitenciárias e manicômios. Participou, ainda, da Comissão Justiça e Paz, fundada em 1972, e foi membro da Comissão Interamericana de Direitos Humanos —importante órgão para a democratização nas Américas.

Bicudo defendeu dom Paulo Evaristo Arns, quando processado por calúnia pela publicação do livro “Brasil: Nunca Mais”, retrato da violência da tortura, dos desaparecimentos forçados e dos assassinatos do regime militar ditatorial. Movido pelo ideal cristão, somou-se à Igreja Católica no trabalho das pastorais sociais. 

Em suas memórias, Hélio Bicudo afirma ser sua tarefa “lutar por direitos”, procurando “nunca negligenciar este dever”. 

Ao final, conclui: “Valeu a pena defender o que era necessário ser defendido, e, sobretudo, aqueles que se encontravam sem defesa”.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



17/01/2019 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Que...
17/01/2019 - O deus deles e o de todos - Demétrio Magnoli - "Não usarás o nome de Deus em vão" (Êxodo...
17/01/2019 - Supernanny reaça - Mariliz Pereira Jorge - Este capítulo do novo decreto que flexibiliza a posse de arma...
15/01/2019 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Battisti...
14/01/2019 - Casa-Grande - Fernanda Torres - Fui poupada. Atravessei a noite de 2018 para 2019...
10/01/2019 - "Cruzada contra a Globo", dá IBOPE, mas é burrice - Jorge Serrão - É uma estupidez estratégica qualquer campanha ostensiva para tentar...
08/01/2019 - Inovação e desafios do século - Rubens Shirassu Júnior* - Nos anos 60, no Brasil, a eclosão foi do...
05/01/2019 - Governo Bolsonaro contribui para o Febeapa - Em 1966, o jornalista, humorista e compositor Stanislaw Ponte Pretapublicou...
29/12/2018 - Macaco Simão...Urgente - Ueba!RÉUtrospectiva 2018! - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Breaking...
29/12/2018 - Feliz 2019, Brasil - Mário Sérgio de Melo - Brasil, que em 2019 você se dê conta de...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca