Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 23 de outubro de 2018  


27/07/2018
O percevejo - Fernanda Torres

Vinte e cinco anos atrás, por aí, eu descia a Delfim Moreira de carro, quando avistei um casal bonito, de meia-idade, caminhando na orla. O trânsito fluía lento e pude admirá-los a uma certa distância.

Eram Hélio Eichbauer e Dedé Veloso.

Meus olhos se encheram d'água, diante dos amantes serenos, abraçados no contraluz da manhã, passeando anônimos pelo Leblon. Ninguém os conhecia, ninguém sabia que os dois haviam atravessado todas as revoluções da história recente do Brasil e do mundo. Me senti fruto deles. Hélio e Dedé, meus Adão e Eva, meus fundadores. Daí a emoção.

Na época, a humanidade ainda não havia guinado para o desterro de agora. A cultura do ódio não existia, a violência não usava fuzis, a memória da ditadura militar inibia a truculência ufanista e o fundamentalismo religioso engatinhava. Não havia a suspeita de que a democracia se transformaria num balcão de compra e venda.

Os horrores de sempre, é claro, existiam; mas o futuro prometia ser um tempo mais justo e equilibrado, calcado nos valores conquistados por aquele casal.

A notícia da morte de Hélio Eichbauer me trouxe de volta a lembrança, aliada ao luto pela quimera que não se concretizou. A potência transformadora da arte, que ele experimentou e praticou como poucos, se perdeu na reviravolta tecnocrática. Hoje, a cultura é vista como perfumaria, roubalheira, depravação ou, no melhor dos casos, entretenimento.

Minha sensação é a de que atravessamos um período de trevas, semelhante ao da queda do Império Romano. Nos tornaremos iletrados, incultos, supersticiosos, preconceituosos, tacanhos e violentos, antes de que um novo Renascimento ressuscite artistas e pensadores da dimensão de Hélio.

Recentemente, assisti a remontagem de "O Rei da Vela", com extraordinários cenários e figurinos de sua autoria. Quando Renato Borghi abriu a sessão, minha mãe se virou para mim e exclamou com a voz embargada: "O teatro já foi isso, filha! O teatro que eu conheci já teve essa força!" O teatro já foi digno de Hélio.

Ele nunca foi decorativo. Suas intervenções eram obras em si, que dialogavam de forma sutil com textos e canções. Lembro-me, em especial, do impacto das telas do russo Kasimir Malevich sobre cavaletes, em"Abraçaço"; da baía da Guanabara de "O Rei da Vela", em "O Estrangeiro"; e da elegante inocência do palco de "Partimpim", de Adriana Calcanhotto.

Em 1981, sentei-me no teatro Dulcina para ver a versão brasileira de "O Percevejo", de Vladimir Maiakóvski, dirigida por Luis Antonio Martinez Correa. Com cenários de Hélio e estrelada por Dedé Veloso, a peça nos deixou a canção "O Amor", poema do autor russo, adaptado por Caetano.

Maiakóvski se suicidaria um ano após escrever a comédia fantástica que narra a história do boêmio Prissípkin, operário que trai sua classe em troca da ascensão burguesa. Congelado por 50 anos, ele acorda numa União Soviética pós-humana de tão desumana. No futuro acético, não há arte ou sonho, não há mais amor; ninguém fuma, peca ou cura as paixões com vodca.

Numa visão premonitória do que se tornaria a União Soviética de Stálin, com a perseguição de artistas e escritores, o herói Prissípkin se transforma numa atração de zoológico, curiosa aberração para uma sociedade que não reconhece mais o valor do indivíduo e da arte.

Hélio nada tinha de Prissípkin, mas o quadro descrito por Maiakóvski lembra a desolação descarnada do nosso presente. Se eu pudesse, ressuscitaria Hélio Eichbauer, ainda que mais não seja, porque ele era um poeta que ansiava o futuro.Encaminhado por Carlos SA.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



22/10/2018 - Jair Bolsonaro... - Celso Rocha Barros - Jair Bolsonaro não representa o regime de 64. Representa sua dissidência...
22/10/2018 - A morte da Livraria - Ruy Castro - A megafilial carioca da Livraria Cultura fechou as portas. Ficava...
22/10/2018 - Sem direção e faixa etária - Rubens Shirassu Júnior - Política é uma coisa séria, eleição outra, onde fatores...
20/10/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Ugente! O esculhambador-geral da Repúbica!Piada...
20/10/2018 - Mentiras cavalares e militares - Mário Sérgio Conti - O mundo se curva diante do Brasil. De novo,...
19/10/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da Nação!BAFO!...
19/10/2018 - O Estado... - Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli - O Brasil atual vive a sua casa dos horrores,...
16/10/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Segurança!...
16/10/2018 - Midias Sociais - Pablo Ortellado - A armadilha eleitoral em que nos metemos tem muitas...
13/10/2018 - Bolha - Fernanda Torres - No programa de David Letterman na Netflix, Barack Obama...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca