Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 17 de julho de 2018  


12/07/2018
Os cowboys de Holliwood - Rubens Shirassu Júnior*

A aparência atual do gênero está mais para caubói hollywoodiano, o som sai de guitarras, teclados e apresenta batidas eletrônicas, as letras são melosas, românticas e medíocres. Mas, na origem de toda música sertaneja estão as duplas de música caipira do início do século. Percebe-se que houve um processo de canibalização das tradições pelo mercado da cultura de massa. Como a indústria cultural absorve a música caipira para transformá-la em sertaneja? É um processo que se iniciou em 1929, no século 20, quando a música caipira foi gravada pela primeira vez. Cornélio Pires pegou então a música folclórica cantada por duplas no interior e a formatou nos moldes da indústria cultural, limitando o tempo de gravação.

Ao perceber que se tratava de um estilo comercialmente atraente, as gravadoras da época passaram a investir na música caipira, mantendo as bases de música folclórica adaptada. Mas essa adaptação ainda não distorcia o estilo? Não, a distorção inicia-se no final da década de 40, com a incorporação de estilos como o rasqueado, do Paraguai. A partir daí, a música caipira passou a incorporar uma série de influências de gêneros latinos, e em seguida, nos anos 60, do Rock, especialmente da presença da guitarra, que faria a grande transformação no final dos anos 70 rumo ao sertanejo.

         A partir do momento em que a indústria cultural começou a perceber que se tratava de um estilo vendável e que, quanto mais incorporasse influências externas, mais se tornaria pop e atraente, esse processo de distorção se acelerou. O processo deu-se naturalmente, vindo dos próprios artistas, ou foi algo imposto pelo mercado? No início foi natural, mas a partir da década de 80 ficou bem clara a intenção de ser vendável. A indústria fonográfica, as rádios, percebendo que a introdução especialmente de guitarras e teclados tornavam o estilo muito popular, passaram então a explorá-lo.

            Isso coincide historicamente com a ascensão da classe média, que se tornaria consumidora do estilo já completamente transformado. A dupla que fez essa transição de forma mais marcante foi Chitãozinho e Xororó, que inaugurou a virada para o sertanejo. O que fica da origem caipira nesse estilo transformado? Praticamente apenas o canto em duas vozes. A indústria cultural transformou o discurso, o ritmo e tudo o mais, criando um estilo romântico, cantando num formato de duas vozes, assim como o caipira. E a mudança para um público mais urbano, como se dá? Desde o surgimento, a música caipira é a representativa de uma diáspora do campo rumo à cidade, à periferia. A partir dos anos 80, ela assume um público classe média completamente urbanizado. Essa modernização se contrapõe à ideia do Jeca Tatu, aquele que não se adapta ao progresso. O Jeca original, o caipira, assume um discurso até hoje em busca da simplicidade na vida, mesmo sem o atraso pejorativo que se atribui a ele. A música sertaneja, por outro lado, tenta contradizer esse Jeca dizendo que ele evoluiu: hoje anda de picape, participa de rodeio, usa chapéu de caubói... Qual o lugar social do caipira hoje?

            Até hoje ainda há muitas pessoas envolvidas com o que a indústria chama de música de raiz – termo do qual discordo, uma vez que, como diz Antonio Candido, o caipira é transitório, sem ter terra, sempre fronteiriço, híbrido, entre o urbano e o rural. As pessoas que optam pelo caipira hoje buscam manter a tradição, o discurso original, da simplicidade voluntária. Criticam a opção declaradamente comercial do sertanejo. A defesa da tradição é também nacionalista, em oposição ao “americanismo” do sertanejo? Sem dúvida. Eles defendem a própria cultura reclamando da incorporação do que vem de fora. O sertanejo se diluiu tanto nessas influências que muitos artistas acabaram por voltar a essas origens, a fim de resgatar suas referências, por mais que voltem a desfocá-las logo em seguida.

          O músico sertanejo, então, não rejeita o caipira como o caipira o rejeita? É uma relação de respeito e ancestralidade. E o caipira permite a evolução do seu estilo ou fica preso à pureza de origem? Permite, sim, de forma bem mais lenta, mantendo o discurso original e sem desvirtuar essa origem.

*Rubens Shirassu Júnior, escritor e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2016)




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



16/07/2018 - O que esperar de 2018? - Celso Rocha de Barros - É com grande alegria que anunciamos o início da...
16/07/2018 - Aprender e ensinar - Ruy Castro - Leio nos jornais que só 2,4% dos jovens brasileiros...
12/07/2018 - Perdão - “Perdão é como uma pétala de flor. Ressentimento é...
12/07/2018 - Não há futebol sem palavrão - Sérgio Rodrigues - Seria uma experiência científica de grande interesse artístico ou...
12/07/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Predestinados...
11/07/2018 - As boas do Macaco Simão - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!A...
09/07/2018 - O cantor da "Revolução Perdida" na Nicarágua - Clóvis Rossi - Nada pode ser mais eloquente a respeito da traição...
09/07/2018 - Um domingo para esquecer - Sérgio Rocha de Barros - Na história das instituições brasileiras, foi um domingo para esquecer. Como...
09/07/2018 - Gravação de "Chega de Saudade" foi um parto... - Ruy Castro - Onze dias antes, em 29/6, o Brasil fora campeão...
09/07/2018 - Por que não entendemos as derrotas do Brasil? - Júlio Gomes - A conversa corre solta no bar, na sala, na...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca