Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 17 de julho de 2018  


09/07/2018
O cantor da "Revolução Perdida" na Nicarágua - Clóvis Rossi

Nada pode ser mais eloquente a respeito da traição à revolução sandinista de Daniel Ortega, o presidente nicaraguense, do que a revolta de Carlos Mejía Godoy contra ele.

Primeiro, um pouco da história de Mejía Godoy: é um cantor, compositor e ativista social que emprestou ritmo e melodia à revolução sandinista, a que depôs em 1979 a ditadura do clã Somoza.

Seus versos enfeitavam uma revolta libertária. Sua canção mais conhecida (“Nicarágua/Nicaraguita”) celebra precisamente a liberdade e termina com estes versos: “Ay, Nicarágua sos más dulcita/Que la mielita de tamagas/Pero ahora que ya sos libre, Nicaraguita/Yo te quiero mucho más”.

 Manifestação em Manágua em homenagem às crianças mortas durante os protestos na Nicarágua - Alfredo Zuniga - 30.jun.2018/Associated Press

Acho que dispensa tradução, exceto para “tamagas”, que designa várias coisas centro-americanas, mas, no caso, refere-se ao mel que se recolhe de colmeias sem dono em uma região da Nicarágua.

Em todo o caso, traduzo: “Ai, Nicarágua, és mais docinha/que o mel das tamagas/mas agora que já és livre, Nicaraguita/eu te quero muito mais”.

Mejía Godoy continua sendo um libertário, tanto que está participando dos protestos contra o autoritarismo de Ortega e de sua mulher, a vice-presidente, Rosario Murillo.

Mas já não acha que a Nicarágua de hoje seja doce, bem ao contrário. Em entrevista ao jornal espanhol El País, Mejía Godoy disse o seguinte: “Não tenho nada pessoal contra o indivíduo Daniel Ortega, e, sim, contra o que ele representa, e o que ele representa é o apocalipse de Nicarágua”.

Para quem acha que apocalipse é uma palavra forte demais, convém lembrar que os mortos nesses dois meses e meio de protestos já são mais de 200, que as perdas econômicas decorrentes da crise superam US$ 1 bilhão (R$ 3,9 bilhões) e que economistas locais calculam que 150 mil pessoas podem perder o emprego —uma barbaridade em um país de 6,3 milhões de habitantes.

Tudo porque Ortega se transformou em um Somoza do século 21 e se aferra ao poder, ao qual chegou após aliar-se ao que havia de mais conservador e corrupto na Nicarágua pós-Somoza.

Mejía Godoy não é o único sandinista desiludido com seus antigos heróis. O cantor, aliás, trabalhou nos anos 70 na Oficina de Música Popular de Solentiname, uma comunidade cristã dirigida pelo poeta (e ex-padre) Ernesto Cardenal.

Cardenal, ícone da Teologia da Libertação, embebida de marxismo, foi militante do sandinismo e usado como demonstração de que os católicos apoiavam a revolução. Tornou-se ministro da Cultura, após a vitória do sandinismo, mas rompeu com Ortega em 1994.

Passou a ser tão vilmente perseguido que sua vida ficou quase inviabilizada, ele que está com 93 anos.

Iosu Perales, cientista político especialista em relações internacionais, um dos incontáveis internacionalistas que apoiaram a revolução, escreve para o site Confidencial que se sente sandinista intelectual e sentimentalmente.

Não obstante, critica não só o autoritarismo de Ortega e as matanças que desatou mas também o comportamento da esquerda de “justificar atuações da esquerda que devem ser criticadas por outras esquerdas”.

Quando será que a esquerda brasileira reconhecerá o óbvio, ou seja, que a revolução sandinista é uma “Revolução Perdida”, como diz livro do poeta Cardenal?




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



16/07/2018 - O que esperar de 2018? - Celso Rocha de Barros - É com grande alegria que anunciamos o início da...
16/07/2018 - Aprender e ensinar - Ruy Castro - Leio nos jornais que só 2,4% dos jovens brasileiros...
12/07/2018 - Perdão - “Perdão é como uma pétala de flor. Ressentimento é...
12/07/2018 - Não há futebol sem palavrão - Sérgio Rodrigues - Seria uma experiência científica de grande interesse artístico ou...
12/07/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Predestinados...
12/07/2018 - Os cowboys de Holliwood - Rubens Shirassu Júnior* - A aparência atual do gênero está mais para caubói...
11/07/2018 - As boas do Macaco Simão - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!A...
09/07/2018 - Um domingo para esquecer - Sérgio Rocha de Barros - Na história das instituições brasileiras, foi um domingo para esquecer. Como...
09/07/2018 - Gravação de "Chega de Saudade" foi um parto... - Ruy Castro - Onze dias antes, em 29/6, o Brasil fora campeão...
09/07/2018 - Por que não entendemos as derrotas do Brasil? - Júlio Gomes - A conversa corre solta no bar, na sala, na...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca