Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 20 de novembro de 2018  


09/07/2018
Gravação de "Chega de Saudade" foi um parto... - Ruy Castro

Onze dias antes, em 29/6, o Brasil fora campeão do mundo pela primeira vez, na Copa da Suécia. Em condições normais, o baiano João Gilberto, 27, louco por futebol e torcedor do Vasco (o qual tinha três titulares na seleção: Vavá, Orlando e o capitão Bellini), ainda estaria saboreando aquela conquista. Mas era pouco provável que, ao subir ao quarto andar do edifício São Borja, no centro do Rio, naquele dia 10 de julho de 1958, João Gilberto pensasse em outra coisa que não fosse o disco que estava gravando.

Ali ficava o estúdio da Odeon, a principal gravadora do país, e ele só conseguira com que ela o deixasse gravar um single —um 78 r.p.m.— porque amigos como Antonio Carlos Jobim e Dorival Caymmi haviam pressionado Aloysio de Oliveira, o diretor artístico da fábrica, a aceitá-lo. Não fora uma tarefa fácil —porque, naqueles dias, João Gilberto era um dos artistas mais desconhecidos do país.

Nada que fizera até então chamara minimamente a atenção do público. Desde que deixara o conjunto vocal Garotos da Lua, seis anos antes, seu nome nunca mais saíra no jornal —foto, então, nem pensar. Não tinha discos para tocar no rádio, ninguém ouvira falar dele na televisão e ele nunca se apresentara nas grandes boates, como o Vogue ou o Sacha’s. Participara recentemente como acompanhante em duas faixas de um LP, “Canção do Amor Demais”, com Elizeth Cardoso, em que o autor da contracapa, Vinicius de Moraes, esquecera-se de mencioná-lo. Pois, com tudo isto, João Gilberto já se tornara uma lenda entre os músicos de sua geração.

Em fins de 1956, depois de quase dois anos sumido, ele reaparecera no Rio com um novo estilo de tocar violão e cantar. Era algo aparentemente sofisticado e complexo demais para a época. Mas um pianista, arranjador, maestro e compositor que ele conhecia apaixonou-se por aquele estilo: Tom Jobim. Essa paixão contagiou um grupo de jovens cariocas empenhados numa reformulação do samba —Newton Mendonça, Sylvia Telles, Carlos Lyra, Ronaldo Bôscoli, os irmãos Castro Neves, os quase garotos Roberto Menescal e Nara Leão, vários outros. Ao ouvir João Gilberto, em audições domésticas ou no barzinho do hotel Plaza, em Copacabana, eles viram nele a resposta às suas preces.

A gravação do 78 estava se constituindo numa batalha. O perfeccionismo do artista ameaçava enlouquecer os técnicos, a orquestra e o próprio Tom. Nada parecia satisfazê-lo. Mas Tom segurou a barra, em nome de algo que já suspeitava maior do que ele ou do que João Gilberto —um novo conceito, um novo ritmo, uma nova música. E só então, em alguma hora do dia, produziu-se a versão que João Gilberto consideraria perfeita, definitiva.

Com “Chega de Saudade”, de um lado, e “Bim-Bom”, do outro, aquela música sem nome —só meses depois seria chamada de bossa nova— decolava para a eternidade.

Ruy Castro é colunista da Folha, autor de livros como “Chega de Saudade: A História e as Histórias da Bossa Nova” (199




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



14/11/2018 - Ativismo e vida sexual clandestina - Rubens Shirassu Júnior - A ideia original partiu de conhecer o Brasil na...
13/11/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Piadas...
13/11/2018 - Acordando com o rádio - Ruy Castro - Nesta época de redes sociais, ainda sou dos que...
10/11/2018 - F65.0 Hélio Schwartsman - F65.0 é o código da CID-10 (Classificação Internacional de...
05/11/2018 - O Pavão - Rubem Braga - Eu considerei a glória de um pavão ostentando o...
30/10/2018 - Gritos na noite... - Renato SantAna - Assombroso! Às 22:10 da noite deste 28/10/2018, poucas horas...
30/10/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente!O esculhambador-geral da República! Sensacionalista:...
29/10/2018 - Não é este o Brasil que eu quero - Por Jacob Fortes - O agricultor Januário, possuidor de uma modesta gleba, ”Engenho...
27/10/2018 - Macaco Simão...Urgente - Pra votar no Bolsonaro tem que apresentar diploma de...
27/10/2018 - Crapulices de Capa e Espada - Mário Sérgio Conti - O que acontecerá amanhã é produto da crise econômica...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca