Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 19 de setembro de 2018  


09/07/2018
Por que não entendemos as derrotas do Brasil? - Júlio Gomes

A conversa corre solta no bar, na sala, na frente da grelha, nas mesas redondas. Afinal, por que o Brasil perdeu? O que é a Bélgica? Quem é Courtois?

Esse talvez seja o grande problema. O grande mistério. O grande X da questão. Por que não entendemos?

Como assim não entendemos?

Por que, de quatro em quatro anos, o ''país do futebol'' se surpreende? ''Descobre'' jogadores? Se somos assim tão ''donos'' do futebol quanto nos imaginamos, não seria conveniente conhecer, de fato, o esporte e o que está sendo feito dele?

A história do futebol é dividida em basicamente quatro momentos. Pré-Segunda Guerra mundial, quando engatinhou e era jogado em poucos países. No pós-Guerra, até a década de 70, quando os campeonatos são consolidados, os sistemas formados, mas ainda jogado por pouca gente – é aqui que o Brasil domina de um jeito que nunca ninguém havia dominado e nunca mais alguém dominará.

Justamente o domínio brasileiro faz com que o jogo se transforme, e temos outros 25 anos de muita evolução na Europa e a consolidação da exportação de jogadores. E, finalmente, de 25 anos para cá, temos a globalização do jogo, o fim das fronteiras de conhecimento.

Pare para pensar nas fases três e quatro, ou seja, os últimos 50 anos. De 1970 para frente, nesta fase global e moderna, a Alemanha ganhou três Copas. O Brasil, duas, assim como Itália e Argentina. França e Espanha ganharam uma. Existe uma pulverização do domínio, uma tendência que vai se aprofundar.

Se o Brasil conquistou só 2 das 12 últimas Copas, por que tanta gente continua achando que ganhá-las é ''obrigação''? Por que tanto espanto com as derrotas? Por que não entendemos que não é vergonha alguma perder para a Bélgica, ainda mais do jeito que foi, com a seleção brasileira fazendo um bom jogo e merecendo sorte melhor?

Vejam só. É um jogo. UM. As Copas são esse tipo de torneio. Quanto menos tempo de disputa, maior a aleatoriedade.

Vamos falar dos belgas. Esses caras estão nos melhores times da Europa já faz algum tempo. São protagonistas do futebol globalizado.

A Bélgica não é mais um país da periferia da bola. Na década passada, iniciou um trabalho sério de base, de formação de jogadores. Na base, não importa mais ganhar. Importa formar. E, se o projeto de jogador não virar jogador, que vire, de alguma maneira, um profissional do esporte. Técnico, preparador físico, fisiologista, o que quer que seja.

Ou seja, eles fazem tudo o que não fazemos. É didático perder da Bélgica. Como foi didático levar 7 da Alemanha. Ou deveria ser didático.

O fato é que alguns belgas viraram jogadores dos bons. É um erro achar que eles são piores que os brasileiros. O nível é o mesmo. Igual. Idêntico. Você pode preferir um ou outro na comparação individual, mas o nível é o mesmo – tanto belgas quanto brasileiros estão nos grandes centros do futebol mundial.

Isso que é difícil de aceitar no país do futebol. Que os outros nos alcançaram. Em todos os aspectos. Tático, técnico, tudo.

O que espanta é que isso já aconteceu faz tempo, e ainda tem gente descobrindo de quatro em quatro anos.

Em um jogo único de futebol, qualquer um pode ganhar. O Brasil poderia ter vencido ontem. Merecia, até. Jogou melhor, teve chances. Mas, nos dias de hoje, o futebol é tão equilibrado que pequenos detalhes definem uma partida. Nesta Copa, está claro, quem marcar primeiro, geralmente leva. A Bélgica marcou primeiro. Ganhou.

A bola parada brasileira parou na trave com Thiago Silva. A bola parada belga virou gol. São pequenos detalhes que mudam tudo. No segundo tempo, o Brasil teve inúmeras chances para empatar. Mas havia um goleiro do outro lado. É do jogo!

Enquanto escrevo, o russo do restaurante me traz uma cerveja belga. Considero uma provocação? Bem, talvez eles também façam cervejas melhores que as nossas.

O russo nem sabia que o Brasil tinha perdido. Quando falo na Copa, ele só pensa no jogo de hoje,  contra a Croácia. É uma questão de orgulho nacional, não necessariamente de futebol.

É um país que só tem olhos para o milagre da seleção russa. Talvez seja melhor levar a vida assim. Pensar que não vai dar e… de repente… deu! A Rússia não esperava nada de sua seleção. Nós esperamos sempre muito. Esperamos sempre mais do que deveríamos.

Ou melhor. Não é que esperamos. É que exigimos. Um peso que nitidamente está dando maus resultados aos jogadores da seleção.

Para um brasileiro, perder da Bélgica é o fim do mundo. Tenho uma notícia: nada é o fim do mundo. Tenho outra: no futebol, existe mais mundo lá fora, além de nossas fronteiras.Encaminhado por Carlos Sa.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



18/09/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Ereções...
17/09/2018 - Eleições no DF em clima de pesadelo - Leandro Colon - Sofre o eleitor do Distrito Federal a menos de...
15/09/2018 - A Brasília dos avoados - Mário Sérgio Conti - Lá se vão 30 anos desde que Joaquim Pedro de...
13/09/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Piada...
13/09/2018 - Tática em teste - Janio de Freitas - A oficialização da candidatura de Fernando Haddad é o...
11/09/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República! Brasil...
10/09/2018 - O risco do mais do mesmo após a eleição - Jorge Serrão - Não adianta esperar por “Diálogo Civilizado” durante a campanha...
10/09/2018 - Independência e sabotagem da Nação - Mário Sérgio de Melo - Dia de comemoração da Independência, quase duzentos anos! Dia...
07/09/2018 - A facada! - Carlos Maurício Mantiqueira - Antes de mais nada, rezemos a Deus pelo pronto...
07/09/2018 - Deixar em ruínas - Vladimir Safatle - Dificilmente alguém conseguiu sintetizar de forma tão precisa a...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca