Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 19 de setembro de 2018  


03/07/2018
Outsiders contra o estado de coisas - Rubens Shirassu Júnior*

Sempre disse que a década de 2000, no Brasil, foi um retorno de tudo  que mais careta existia na década de 50, a sucata da sociedade industrial (que em 300 anos destruiu integralmente o planeta), agora em franca e acelerada desintegração. As matérias-primas escasseiam, a Amazônia está sendo transformada num imenso lago (como queria o Instituto Tecnológico de Massachusetts), buracos quilométricos na camada de ozônio ameaçam transformar o planeta num deserto a curto prazo. No Brasil, de politicamente correto, no entanto, a palavra Crescimento continua na ordem do dia, assim como na cabeça e nos artigos da maioria dos jornalistas sensacionalistas da grande mídia. No atual contexto, a desintegração da sociedade industrial (capitalista e socialista), a crise da Economia (não crise econômica) e a Inflação, que é determinada pelo aumento do preço da energia, causam a erosão na produção de bens essenciais: alimentação, vestimenta e habitação. Agora, os que quiserem salvar as cidades devem urgentemente procurar energias alternativas (como a energia solar, por exemplo) e abandonar a política energética dependente de reservas não-renováveis e tecnologias imaturas.

O planeta se uniformizou em torno da ideologia e valores da classe média, uma ideologia hedonista de falsa tolerância, racista em relação a subproletários, homossexuais, negros, entre outras coisas, onde o casal heterossexual é imposto via mídia, às mais tenras faixas etárias. A uniformização do planeta em torno dos valores da classe média está levando a uma mudança antropológica para pior, onde o tipo Homem é confundido planetariamente com o tipo classe média. A ideologia do progresso percorre o receituário de todos os partidos políticos do Brasil, assim como a “disciplina da fábrica” de origem taylorista, percorre os manuais provincianos de estética. O que temos no campo da poesia, é a riminha safada, lírica açucarada de véu e grinalda para embalar devaneios universitários. Os artistas provincianos deslumbrados com cidades tipo São Paulo, não percebem a trama do mau gosto, da exclusão e do isolamento debaixo do aparente verniz dos néons e da badalação das revistas virtuais e das antologias de associações e academias literárias engessadas, como as universidades e apoiadas em muletas de teorias. Uma linguagem saída diretamente da estética do consumo borboleteia sobre a criação de condomínios elitistas em ilhas, do carro último tipo. Um escritor deve ir além dos muros da academia levando seu tesão visceral pela literatura. A escrita criativa e de estilo é um açoite ao bom mocismo que por aí campeia, as obviedades e lugares comuns daquilo que denomino “literatura fofa.” A literatura de peso, um meteoro, uma catarse, um desnudamento ou aquilo tudo que deciframos além do espaço do livro. Quem faz boa literatura percorre um corredor polonês, no sentido figurativo e, sem medo de se expor, exige maturação na percepção, assim creio.  As impressões concretizadas e, meio Clarice Lispector, que propague de boca a boca, o que será melhor do nunca!

Por isso, deve-se estudar constantemente o surrealismo, como movimento literário e artístico, onde mostra tão importante para história da literatura que o Octavio Paz, antes de ganhar o Nobel, declarou na Organização das Nações Unidas (ONU) que “o século não será conhecido como o do marxismo, mas como o do surrealismo”. E como filosofia, a poesia é uma arte minoritária e, nesse sentido os escritores brasileiros influenciados pelo surrealismo e pela Beat Generation, que os marcou profundamente tanto pela poesia ácida e voraz quanto pela atitude em relação ao mundo da experiência. Nesse sentido, a força do que escreviam atingiu pela carga de dinamite própria. Eles nunca fizeram concessões. Suas referências incluíam também os românticos franceses e ingleses, sem esquecer os simbolistas.

Ao incluir a epígrafe “os poetas são os novos xamãs da sociedade”, de Joseph Campbell, em Cobra de Vidro, seria a minha rechaça ao racionalismo absoluto que se instituiu na poesia brasileira. Existe poeta que disputa o título de mais racional, pode? Pier Paolo Pasolini alertou sobre isso: “Grito no céu onde embalou o meu berço: Nenhum dos problemas dos anos cinqüenta / Me importa mais! Traio os lívidos / Moralistas que fizeram do socialismo um catolicismo / Igualmente tedioso! Ah, ah, a província empenhada! / Ah, ah, a competição para ser o poeta mais racional que o outro! / A droga para os professores pobres da ideologia! / Renego o ridículo do decênio.” Bebi em Arthur RimbaudAntonin Artaud e William Blake o delírio do verbo de cada um para estremecer a estrutura de minha própria poesia. De onde vem a verdadeira poesia, ela se origina fora das leis. Quanto à posição dos poetas neste começo de século, foram expulsos da cidade pelo totalitarismo cultural e convertidos em seres marginais (outsiders).

Nesta idade média tecnológica, estes jecas acadêmicos adoradores da “tecnologia de ponta” participam da fabricação da cegueira adestrada, onde as respostas humanas aos acontecimentos de todos os dias se tornaram estandartizadas. Forçado a tarefas impessoais, o trabalhador vincula-se à monotonia e ao envelhecimento onde qualquer iniciativa é considerada contrária às normas da organização, obrigando a um conformismo medroso e rotineiro. A interpretação exclusivamente industrial do socialismo permite aos comunistas e aos capitalistas falar o mesmo idioma. É isso que a cegueira tradicional dos nossos intelectuais não consegue ver: cada um dos aspectos da sociedade industrial é componente de um sistema que implica a escalada da produção e o crescimento da procura indispensáveis para justificar o custo social total. A industrialização da carência transforma a necessidade pessoal em carência mensurável. Crise deveria significar exatamente isso: o instante de escolha, esse momento maravilhoso em que a gente se torna consciente da própria prisão autoimposta e da possibilidade de uma vida diferente. Enquanto isso, a padronização da ação humana vai se estendendo, numa espécie de rigor mortis, confrontando a afirmação de Serge Moscovici de que “só o que é diversificado está vivo.”

*Rubens Shirassu Júnior, escritor e pedagogo, de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2016).




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



18/09/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Ereções...
17/09/2018 - Eleições no DF em clima de pesadelo - Leandro Colon - Sofre o eleitor do Distrito Federal a menos de...
15/09/2018 - A Brasília dos avoados - Mário Sérgio Conti - Lá se vão 30 anos desde que Joaquim Pedro de...
13/09/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Piada...
13/09/2018 - Tática em teste - Janio de Freitas - A oficialização da candidatura de Fernando Haddad é o...
11/09/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República! Brasil...
10/09/2018 - O risco do mais do mesmo após a eleição - Jorge Serrão - Não adianta esperar por “Diálogo Civilizado” durante a campanha...
10/09/2018 - Independência e sabotagem da Nação - Mário Sérgio de Melo - Dia de comemoração da Independência, quase duzentos anos! Dia...
07/09/2018 - A facada! - Carlos Maurício Mantiqueira - Antes de mais nada, rezemos a Deus pelo pronto...
07/09/2018 - Deixar em ruínas - Vladimir Safatle - Dificilmente alguém conseguiu sintetizar de forma tão precisa a...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca