Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 20 de junho de 2018  


12/06/2018
Entre o divã e o hospício - Sérgio Rodrigues

Brasil vai à Copa do Mundo da Rússia como quem se deita no divã. Que o país anda ruim da cabeça --e da alma-- já está claro há algum tempo, mas o 21º torneio mundial de seleções promete levar nossa maluquice a um ponto crítico.

Poucas vezes chegamos à Copa com uma equipe tão bem preparada, tão pronta a carregar com garbo a responsabilidade de favorita que a seleção pentacampeã carregaria de qualquer jeito, mesmo depois do 7 a 1 e ainda que fosse treinada por um Dunga da vida.

Ao mesmo tempo, nunca tantos de nós fomos tão hostis, rabugentos, inapetentes ou no mínimo cautelosos --pelo menos por ora-- diante da lendária amarelinha. "Isso nunca nos aconteceu antes", poderiam dizer incontáveis anti-Pachecos, caso estivessem envergonhados por negar fogo. Não estão: torcer contra é motivo de orgulho.

Ah, porque a camisa amarela virou "uniforme de fascista". Porque Neymar é mimado e tem falhas de caráter. Porque na CBF e na Fifa só dá corrupto. Porque os jogadores são milionários expatriados que não representam o país --por aí vai.

Claro que todo mundo tem o direito de alimentar o bode que quiser em seu quintal. Parece inegável que o declínio do nosso velho ufanismo babão, que vem sendo observado há algumas Copas, é sintoma saudável do amadurecimento de um povo que deixou de encarar uma competição esportiva como teste binário --glória ou cadafalso-- do seu valor. Ruas decoradas só fazem falta a donos de armariinho. 

O que talvez nos faça falta a todos é a lucidez de reconhecer que o futebol --o esporte mais popular do planeta e um idioma realmente universal-- é mais do que a soma dos interesses comerciais e políticos que o cercam.

Por décadas, o Brasil construiu nele uma marca mundial de excelência e fez disso um esteio de autoestima e do próprio sentimento (a princípio precário, como em qualquer sociedade pós-colonial) de nacionalidade.

Retocar essa mitologia à luz de um novo tempo é boa ideia, mas o futebol brasileiro não será chutado para escanteio sem danos à nossa sanidade coletiva.

O mau humor está no ar e não faltam razões para isso, mas a seleção treinada por Tite é das poucas coisas realizadas com talento, profissionalismo e competência nesta terra em muito tempo. Se formos incapazes de nos alegrar com ela, talvez seja melhor trocar o divã pelo hospício.Encaminhado por Carlos SA.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



19/06/2018 - A Copa do Mundo já não é a mesma - Juca Kfoury - Nunca cobri in loco uma Copa do Mundo dos chamados tempos...
18/06/2018 - Matou Stálin e foi ao cinema - Mario Sérgio Conti - "A Morte de Stalin" é insólito. Baseado numa história em...
15/06/2018 - Sem inteligência, Brasil não muda... - Jorge Serrão - O Brasil tem prazo de validade. Quem não encarar...
15/06/2018 - Cartas sobre a mesa - Vladimir Safatle - Cada dia que passa, fica mais evidente qual é...
15/06/2018 - Em Dublin no "Bloomsday" - Ruy Castro - Meio por acaso (o motivo da viagem era outro),...
12/06/2018 - À mercê de meliantes - Cláudio Abramo - Uma peculiaridade do grau de despolitização brasileiro é a...
11/06/2018 - TSE permitirá a brincadeira de Lula? - Jorge Serrão - Disputando com a eleição fraudável com o beneplácito do...
11/06/2018 - Quase irresistíveis - Ruy Castro - Vi outro dia, num jornal, o anúncio de uma...
11/06/2018 - Nascem estrelas no fim do andar - Rubens Shirassu Júnior* - Numa das mais belas e tocantes metáforas do ato...
06/06/2018 - 2084: o ano que tudo deu certo - Reinaldo Figueiredo - Waldyrsson e seu filho estavam saindo da monumental Sala...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca