Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 17 de janeiro de 2019  


11/06/2018
Nascem estrelas no fim do andar - Rubens Shirassu Júnior*

Numa das mais belas e tocantes metáforas do ato de viver, a Bíblia nos diz que “breve e triste é a nossa vida”, que “nós nascemos do acaso e logo passaremos como quem não existiu” e que, “com o tempo, nosso nome cairá no esquecimento e ninguém se lembrará de nossas obras.”

Nós, escritores, temos a ilusão de vencer esses limites. Por isso, os acadêmicos chamam-se a si mesmos imortais. Mas o que torna ou não imortais os escritores são suas obras, não eles!

De todo modo, depois da partida para o mistério insondável do post mortem, restam a obra e a memória, às vezes eternas, de termos sido uma boa companhia no convívio entre os pares, como pessoa ou como livro, num mundo que de algum modo sempre segrega os escritores.

Vivemos todos em campos de concentração. Cabe-nos torná-los menos hostis, já sabendo de antemão que, às vezes, somos nós os nossos principais inimigos, lutando uns contra os outros, sem a generosidade das almas modestas e negando a quem discrepa de nós o direito à discordância. Do contrário, de que valerão os endossos? Somos obrigados a dizer sempre sim, a todos os livros e autores, e se divergirmos seremos tomados como censores.

Todos morreremos um dia, esta é a única certeza que temos. Defunctus quer dizer pronto em latim. Mas quem decide qual é a hora em que estamos prontos? Irrompe, misteriosa, repleta de sutis complexidades e contextos jamais imaginados, a fúria dos acasos.

Essas reflexões surgiram quando tive os sentimentos desarrumados pelas mortes de Alberto Dines e Philip Roth. Eles foram e serão doravante, ainda com mais intensidade e maior alcance – duas referências solares das literaturas brasileira e americana, notadamente, ao retratarem e ao dissecarem a condição humana. Foram tão grandes que, não encontrando espaço suficiente em tantos desertos, fundaram seus próprios oásis, modelando nas areias o paradoxo de nosso tempo.

Nos territórios preferenciais de suas atuações, eles souberam conciliar caminhos que se bifurcam: a criação própria de suas lavras, e outros textos, de lavra alheia. Nas duas fontes sempre buscaram a boa água.

Tudo passa, e passou isso também. Agora tenhamos de despedida versos como que seguem de Mário Quintana: “Quando eu for, um dia desses,/ Poeira ou folha levada/ No vento da madrugada,/ Serei um pouco do nada/ Invisível, delicioso/ Que faz com que o teu ar/ Pareça mais um olhar,/ Suave mistério amoroso,/ Cidade de meu andar/ (Deste já tão longo andar!)/ E talvez de meu repouso...”

  *Rubens Shirassu Júnior, escritor e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2017).




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



17/01/2019 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Que...
17/01/2019 - O deus deles e o de todos - Demétrio Magnoli - "Não usarás o nome de Deus em vão" (Êxodo...
17/01/2019 - Supernanny reaça - Mariliz Pereira Jorge - Este capítulo do novo decreto que flexibiliza a posse de arma...
15/01/2019 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Battisti...
14/01/2019 - Casa-Grande - Fernanda Torres - Fui poupada. Atravessei a noite de 2018 para 2019...
10/01/2019 - "Cruzada contra a Globo", dá IBOPE, mas é burrice - Jorge Serrão - É uma estupidez estratégica qualquer campanha ostensiva para tentar...
08/01/2019 - Inovação e desafios do século - Rubens Shirassu Júnior* - Nos anos 60, no Brasil, a eclosão foi do...
05/01/2019 - Governo Bolsonaro contribui para o Febeapa - Em 1966, o jornalista, humorista e compositor Stanislaw Ponte Pretapublicou...
29/12/2018 - Macaco Simão...Urgente - Ueba!RÉUtrospectiva 2018! - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Breaking...
29/12/2018 - Feliz 2019, Brasil - Mário Sérgio de Melo - Brasil, que em 2019 você se dê conta de...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca