Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 24 de maio de 2018  


07/05/2018
As raízes edênicas do Brasil - Rubens Shirassu Júnior

Sobre Sérgio Buarque de Holanda não há nada definitivo. Os estudiosos estão sempre descobrindo coisas de espantar. Uma verdadeira joia das ciências sociais das Américas. Visão do Paraíso é uma grande referência especial, notadamente da historiografia, do país. O livro, de pesquisa e de consulta, vem a ser, assim, uma das mais notáveis realizações editoriais. Distingue-se, também, pela qualidade de seu volume. Publicado pela primeira vez em 1958, vem sendo reeditado pela importância que tem.

Trata-se, na verdade, de um dos livros mais notáveis da historiografia brasileira. Sobre “os motivos edênicos no descobrimento e colonização”, estuda assunto que diz respeito não só ao Brasil, mas à América Latina, para não dizer à mentalidade do Ocidente. A busca de novas terras ou o alargamento do ecúmeno estão ligados a uma tendência natural do homem, não só pela curiosidade ou desejo de expansão, mas também pelo ardor de conquista, para a afirmação do poder político ou enriquecimento, com a descoberta de novos recursos econômicos ou de outras áreas em que os elementos já conhecidos sejam mais facilmente encontráveis. O crescimento da economia foi em certo instante, sobretudo, a incorporação de novas faixas territoriais, como se viu nos séculos XV e XVI, com a expansão do capital comercial na primeira fase do mercantilismo. A mente dos homens era dominada não só por motivos econômicos, mas também edênicos. O encontro do habitante em estado supostamente natural despertou o sentido de aventura, a criação artística, a experiência científica, confundidos com o mito ou o sentido religioso.

O tema é de difícil deslinde, pelo que requer de erudição, conhecimento historiográfico, antropológico, etnológico, sociológico, filosófico, religioso, literário. A erudição para cobrir área dilatada de conhecimento e a cultura para bem assimilá-los e interpretá-los. Entre nós, só Sérgio Buarque de Holanda poderia escrever livro de tal riqueza e abrangência. Tinha para a tarefa a vastidão de informações e a sensibilidade para apreender experiências ou imaginações tão requintadas. Escreveu assim um texto singular na bibliografia nativa, que não prima pela erudição nem pela temática de alto voo.

Visão do Paraíso despertou a atenção dos círculos de estudos brasileiros e pode chegar ainda a todos os iberos, pois fala do espanhol e do português, como de suas projeções na América. O texto é instigante e de superior realização literária. Buarque de Holanda escreveu aqui uma de suas obras mais valiosas e permanentes, que marcam o seu lugar no quadro da cultura do continente.

*Rubens Shirassu Júnior, escritor e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2017) 




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



23/05/2018 - É preciso compromisso com o combate as regalias - Renato Feder e Renato Dias - Viver em uma democracia demanda um custo para as...
23/05/2018 - Só informação não bastas - Helio Schwarstman - Merece apoio a iniciativa da Anvisa de melhorar a rotulagem...
23/05/2018 - O truque da bola gelada - Ruy Castro - O francês Michel Platini, ex-craque e cartola acusado de...
21/05/2018 - Num outro mundo... - Helio Schwarstman - Na carta que enviou à presidente do PT, Lula cravou: “Se...
21/05/2018 - Ciro está jogando como profissional - Celso Rocha de Barros - Até o momento, nenhum candidato nas eleições presidenciais de...
21/05/2018 - Novos estilos de esperneio - Ruy Castro - Na quarta-feira (16), falei aqui do jus esperneandi, o direito que...
17/05/2018 - Desafios do Plano Cultural - Rubens Shirassu Júnior* - Como organizar, preservar a memória e monitorar ou uso...
17/05/2018 - Maio de 68, a revolução que deu certo - Contardo Calligaris - Hoje é 17 de maio. Foi quando a greve...
16/05/2018 - Cegueira moral - Mário Sérgio de Melo - Em seu instigante livro Ensaio sobre a cegueira, o premiado...
16/05/2018 - A sacralidade da farda Helio Schwartsman - Não sou de ficar chocado facilmente, mas devo admitir...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca