Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 18 de junho de 2018  


14/04/2018
Sempre cronista de si mesmo - Rubens Shirassu Jr

Em dezembro de 1985, o cronista, romancista e jornalista José Carlos Oliveira, o Carlinhos Oliveira, como era conhecido, resolveu voltar ao Espírito Santo, terra onde nasceu. Lá, ele pretendia realizar seu projeto mais ambicioso: escrever o livro Meditação da Terra Natal, sobre essa volta às origens. Desde 1984, quando fez uma consulta médica em Paris, ele sabia que restava uma curta sobrevida. Uma pancreatite aguda impedia a realização do acalentado projeto. Carlinhos morreu em 13 de abril de 1986, no Hospital da Associação dos Funcionários Públicos do Espírito Santo.

Estava com 51 anos, dos quais 34 vividos no Rio de Janeiro, para onde veio aos 18. No Rio, consolidou rapidamente uma brilhante carreira jornalística e literária. Foi através da crônica que se tornou mais conhecido. Publicou-as regularmente no Jornal do Brasil por 22 anos, de 1961 a 1983. Era um mestre no gênero. Atribuía o seu êxito ao fato de se considerar “uma espécie de psicanalista amador da Zona Sul, misturado com cronista.” Personagem lendário do folclore ipanemense, não era difícil encontrá-lo na varanda de um bar, copo de bebida à mão, ar irreverente, vendo o “livro da vida”, como chamava a multidão que passava.

Em suas crônicas, imortalizou o famoso bairro carioca, rendeu homenagens “à graça, à beleza e ao charme da mulher brasileira, mas não se detinha em amenidades. Falava também do Oriente Médio, da África, de processos dos dissidentes russos, em deixar de dar aquele toque leve, aquela alegria ao leitor na hora de começar o dia.” Seu tema principal, porém, foi sua própria vida.

Para outro mestre da crônica, o escritor Rubem Braga, também capixaba, a obra de Carlinhos Oliveira tem “momentos intensamente iluminados de poesia e outros lancinantes de sofrimento.” Do amigo, ele diz que “era, ao mesmo tempo, um grande boêmio e um grande trabalhador, e morreu em plena luta para entregar mais um livro, a estranha história de sua própria existência.”

Neste curto período que passou no Espírito Santo, morando no Hotel Porto do Sul, na praia de Camboriú, Oliveira dirigiu o projeto Oficina Literária, na Fundação Ceciliano Abel de Almeida, da Universidade Federal do Espírito Santo, preparando um romance coletivo com seus alunos. Concluiu um livro de contos, Bravos Companheiros e Fantasmas, com trabalhos inéditos, à exceção de um conto que já foi publicado em revista, e a peça Borboleta 14 e 15.

Sua obra publicada inclui livros de crônicas: Olhos Dourados do Ódio (1963) e A Revolução das Bonecas (1967), e os romances O Povão Desiludido (1972) Terror e Êxtase (1977), Um Novo Animal na Floresta (1979) e Domingo 22 (1981).




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



15/06/2018 - Sem inteligência, Brasil não muda... - Jorge Serrão - O Brasil tem prazo de validade. Quem não encarar...
15/06/2018 - Cartas sobre a mesa - Vladimir Safatle - Cada dia que passa, fica mais evidente qual é...
15/06/2018 - Em Dublin no "Bloomsday" - Ruy Castro - Meio por acaso (o motivo da viagem era outro),...
12/06/2018 - À mercê de meliantes - Cláudio Abramo - Uma peculiaridade do grau de despolitização brasileiro é a...
12/06/2018 - Entre o divã e o hospício - Sérgio Rodrigues - O Brasil vai à Copa do Mundo da Rússia como quem se deita...
11/06/2018 - TSE permitirá a brincadeira de Lula? - Jorge Serrão - Disputando com a eleição fraudável com o beneplácito do...
11/06/2018 - Quase irresistíveis - Ruy Castro - Vi outro dia, num jornal, o anúncio de uma...
11/06/2018 - Nascem estrelas no fim do andar - Rubens Shirassu Júnior* - Numa das mais belas e tocantes metáforas do ato...
06/06/2018 - 2084: o ano que tudo deu certo - Reinaldo Figueiredo - Waldyrsson e seu filho estavam saindo da monumental Sala...
05/06/2018 - O melhor e o pior do Brasil são os brasileiros - Nabil Bonduki - Generalizar comportamentos em um país com 209 milhões de...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca