Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 20 de junho de 2018  


13/03/2018
A novela do golpe - Helio Schwartsman

deposição de Dilma Rousseff em 2016, afinal, foi ou não um golpe? A resposta depende, obviamente, de como se define “golpe”. Para quem entende o conceito como “ruptura da ordem constitucional”, o impeachment foi legítimo (aplicaram-se as regras do livrinho, segundo a interpretação do juiz natural do caso). Mas também é possível sair-se com várias outras definições nas quais a destituição poderá ser descrita como um golpe.

Precisão vocabular, porém, é o que menos importa na novela da proliferação de cursos intitulados “O Golpe de 2016”, que acaba de ganhar um capítulo internacional. O melhor modelo para explicar o que está acontecendo é o da cognição cultural (CCT, na sigla inglesa) proposto por Dan Kahan, um professor de direito que usa rigor matemático para revolucionar a psicologia.

O que a ​CCT basicamente diz é que, na esfera pública, crenças às vezes se tornam símbolo de causas e, a partir daí, as pessoas irão afirmar ou negar essas teses não para dizer o que sabem sobre o assunto, mas para mostrar de que lado estão. Não hesitarão em massacrar a matemática para exibir fidelidade ao grupo cultural a que pertencem.

Kahan mostra esse efeito através de uma série de experimentos. Num dos mais bacanas, ao qual já aludi aqui, os sujeitos testados não têm dificuldade para fazer corretamente um exercício matemático quando ele aparece num contexto neutro (a eficiência de um protetor solar), mas erram, quando a mesma conta surge num exemplo ideologicamente significativo (a eficácia do porte de armas para prevenir o crime). O erro é sempre para o lado das preferências políticas das cobaias.

Para não terminar num tom muito desanimador, vale lembrar que esse tipo de controvérsia é exatamente o que se espera quando se vive numa sociedade democrática e aberta, na qual nenhuma instituição detém o monopólio do que pode ser dito.

 

Hélio Schwartsman

É bacharel em filosofia e jornalista.  É articulista e colunista.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



19/06/2018 - A Copa do Mundo já não é a mesma - Juca Kfoury - Nunca cobri in loco uma Copa do Mundo dos chamados tempos...
18/06/2018 - Matou Stálin e foi ao cinema - Mario Sérgio Conti - "A Morte de Stalin" é insólito. Baseado numa história em...
15/06/2018 - Sem inteligência, Brasil não muda... - Jorge Serrão - O Brasil tem prazo de validade. Quem não encarar...
15/06/2018 - Cartas sobre a mesa - Vladimir Safatle - Cada dia que passa, fica mais evidente qual é...
15/06/2018 - Em Dublin no "Bloomsday" - Ruy Castro - Meio por acaso (o motivo da viagem era outro),...
12/06/2018 - À mercê de meliantes - Cláudio Abramo - Uma peculiaridade do grau de despolitização brasileiro é a...
12/06/2018 - Entre o divã e o hospício - Sérgio Rodrigues - O Brasil vai à Copa do Mundo da Rússia como quem se deita...
11/06/2018 - TSE permitirá a brincadeira de Lula? - Jorge Serrão - Disputando com a eleição fraudável com o beneplácito do...
11/06/2018 - Quase irresistíveis - Ruy Castro - Vi outro dia, num jornal, o anúncio de uma...
11/06/2018 - Nascem estrelas no fim do andar - Rubens Shirassu Júnior* - Numa das mais belas e tocantes metáforas do ato...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca