Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca

O que você espera de 2017?

 
ver todos os resultados
 
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 17 de dezembro de 2017  


04/12/2017
O compadre invisível - Bernardo Mello Franco

Gilmar Mendes mandou soltar o rei dos ônibus. Parece notícia velha, mas não é. Na sexta-feira, o supremo ministro voltou a libertar o empresário acusado de chefiar a máfia dos transportes no Rio. Foi o terceiro habeas corpus concedido por Gilmar ao mesmo réu.

Em julho, Jacob Barata Filho foi preso na Operação Ponto Final. Os policiais que batizaram a ação não contavam com a canetada do ministro. Após retornar das férias, Gilmar liberou o empresário para seguir viagem longe da cadeia de Benfica.

Com base em novas provas, o juiz Marcelo Bretas voltou a decretar a prisão de Barata. O ministro deu uma entrevista invocada e mandou soltá-lo pela segunda vez em menos de 24 horas. A velocidade motivou a Lava Jato a questionar os vínculos entre o libertador e o libertado.

Gilmar foi padrinho de casamento da filha de Barata. Além disso, seu cunhado é sócio do empresário. Para completar, a mulher do ministro é sócia do escritório de advocacia que defende as empresas do réu.

Na opinião do supremo ministro, nada disso o impedia de atuar no caso. A Procuradoria-Geral da República discordou e pediu que ele fosse declarado suspeito. A ministra Cármen Lúcia cumpriu a formalidade de ouvir o colega, mas não submeteu o caso ao plenário da corte.

Em novembro, o empresário voltou ao xadrez por ordem de outra juíza. O Tribunal Regional Federal confirmou a decisão, mas Gilmar mandou soltá-lo pela terceira vez.

Enquanto Barata voa, a arguição de impedimento do ministro segue encarcerada numa gaveta. A procuradora Raquel Dodge pediu vista do caso há exatos dois meses. Ela chegou à chefia do Ministério Público Federal com apoio de Gilmar.

Na segunda-feira, o ministro declarou que a influência política é "coisa que não ocorre, ou pelo menos não ocorre de maneira visível" no Supremo. Além de contar com um compadre influente, Barata deve ter o dom da invisibilidade.Encaminhado por Carlos SA.

 




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



16/12/2017 - Ricos do Brasil, o seu candidato só pode ser o Lula - Clóvis Rossi - Se eu fosse rico, torceria para que Luiz Inácio...
15/12/2017 - Daqui não saio...! - Bernardo Mello Franco - A ministra Luislinda Valois não quer desgrudar da cadeira....
14/12/2017 - A crise brasileira e o passado... - Clóvis Rossi - Todo o formidável progresso dos últimos 50 foi incapaz...
13/12/2017 - Muito além da mala - Bernardo Mello Franco -  Um homem sai apressado de uma pizzaria nos Jardins....
13/12/2017 - Lula é candidato a não ser candidato - Jorge Serrão - É hora de meter a mala e falar a...
12/12/2017 - A inspeção veicular não pode ser outro propinoduto - Jorge Serrão - O Brasil tem o vício maldito de copiar idéias...
11/12/2017 - Aldous Huxley e Shakespeare - admirável mundo novo ----- Theófilo Silva - A belíssima sentença Admirável Mundo Novo, que dá título...
10/12/2017 - O marechal Castelo Branco criticou a fúria carcerária - Elio Gaspari - Em maio de 1965, um coronel que chefiava inquéritos...
10/12/2017 - A complexidade da simplicidade - Carlos SA - “SÁBIO É AQUELE QUE CONHECE OS LIMITES DA PROPRIA...
10/12/2017 - Este Brasil - Janio de Freitas - Ninguém, parece mesmo que ninguém, tenta pensar o Brasil...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca