Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca

O que você espera de 2017?

 
ver todos os resultados
 
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 18 de novembro de 2017  


12/11/2017
É preciso cantar - Marcius Melhem

No meio dessa polarização política e do debate acalorado dos últimos anos sinto falta de um componente fundamental: a música.

No século passado a música brasileira esteve presente nas principais questões do país. Na ditadura, por exemplo, as músicas de Chico Buarque, Caetano, Gil e muitos outros, eram denúncia, válvula de escape, grito guardado, mensagem cifrada, tudo ao mesmo tempo.

Na década de 1980, na abertura democrática, Cazuza e Renato Russo colocavam o dedo na ferida com poesia e contundência.

E hoje?

Temos Racionais, Rappa, Emicida, Criolo. São artistas geniais, que se posicionam mais no seu lugar de fala (campo da denúncia com propriedade), mas que esse monstro invisível chamado "mercado" não deixa ganhar escala mais ampla, tocar nas rádios, ser cantado e decantado por todo o país.

O que se ouve por aí, nos grandes shows, nos programas de TV, nas rádios, faz parecer que o Brasil vive uma grande festa.

Cadê a música no debate?

Na bela definição de Millôr Fernandes, música é "arte que ataca pelas costas". Ela te pega sem que você possa olhar para ela e vai direto na alma. Costumo dizer que, como ator, tenho inveja dos cantores, porque ninguém sai de um espetáculo meu repetindo o texto pela rua, mas sai de um show cantando até em casa; e para alguém; e nos dias seguintes.

Talvez falte encontro, discussão. A Bossa Nova, por exemplo, nasceu numa época em que as pessoas tinham que se reunir para fazer música. Tinham que estar juntas no Villarino, no apartamento da Nara Leão. E aí, como não dava para mandar melodia por e-mail e receber letra por WhatsApp, o que era só música vai virando movimento, troca de ideias e mobilização.

E do debate surgiu a necessidade de subir o morro, e ir atrás de Zé Keti, e assim o movimento foi se renovando. Com a Tropicália também a coisa se deu no terreno do encontro, da troca, do querer expressar algo em conjunto. A presença física, a conversa, era parte de fazer música. E assim tudo ganhava concretude, conceito.

Não sei se essas ideias soltas fazem algum sentido. Sei que sinto falta da música deste tempo, que fale da nossa situação hoje. E nos ajude a sair dela.

Como disse Caetano dias atrás, ao ser proibido de fazer um show num acampamento de sem-teto: "e, mais do que nunca, é preciso cantar porque há muitas dificuldades".Encaminhado por Carlos SA.

 




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



17/11/2017 - O Rio capturado pelo crime - Bernardo Mello Franco - No filme "Tropa de Elite 2", o personagem Coronel...
13/11/2017 - A volta da Disneylula - Guilherme Fiuza - Finalmente as coisas estão voltando ao normal no Brasil....
13/11/2017 - Quem são os reais escravistas no Brasil - Sérgio Alves de Oliveira - Há poucos dias escrevi sobre a “queixa” da Ministra...
13/11/2017 - A classe operária no Socialismo Real - Carlos I.S. Azambuja - É compreensível que os regimes totalitários etiquetados de socialistas tenham um...
12/11/2017 - Geraldo, um brasileiro do andar de baixo... Elio Gasapri - Geraldo Casalli tem 53 anos, é motorista da Viação...
11/11/2017 - Lembrai-vos de 1939...as ditaduras se reinventam... Jorge Serrão - A seção “ACERVO”, do jornal O Globo, faz hoje uma...
06/11/2017 - Luislinda virou marca do ridículo... Elio Gaspari - Luislinda Valois deveria ter sido demitida do cargo de...
06/11/2017 - Perdoa-me por me traíres - Bernardo Mello Franco - "Estou perdoando os golpistas deste país." O anúncio de Lula, na...
06/11/2017 - Fome à vista - Ruy Castro - De repente, até mesmo em regiões onde certas culturas...
04/11/2017 - Meireles daria um substituto à altura de Lula? - Jorge Serrão - Fala sério, mas muito sério... Você aceitaria cometer o...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca