Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca

O que você espera de 2017?

 
ver todos os resultados
 
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 17 de dezembro de 2017  


11/06/2017
Kkkkk ou rsrsrsrs - Marcius Melhem

Durante boa parte da minha vida invejei a habilidade de um tipo de pessoa em particular: o sanfoneiro.

Para mim, sempre foi o ápice da capacidade você usar a mão direita pra tocar piano com o teclado em pé, enquanto com a esquerda maneja 120 botões, sem esquecer o movimento de vaivém do fole. Isso tudo e ainda cantar "Asa Branca".

Nos últimos anos encontrei uma nova categoria de ser humano, mais admirável ainda pelo acúmulo de funções e habilidades, e que precisa subdividir o cérebro em muitas regiões pra dar conta das suas tarefas. Falo do superdotado que sabe gerenciar grupos de WhatsApp.

Eu até conseguiria lidar bem com os milhões de variáveis sociais necessárias para existir no WhatsApp, desde que abrisse mão de viver. Até hoje resisti a fazer essa troca, mas venho reconsiderando, já que as pessoas parecem ter se mudado para o aplicativo. Chegará o dia em que a prefeitura cobrará IPTU do WhatsApp, baseado no metro quadrado de linhas de cada um.

Não sei lidar mesmo. Sou ausente no "grupo família", sem carisma no grupo "colégio" e pouco interativo no "trabalho", assim como no "panela do trabalho", e no "panela do trabalho menos o Sérgio, que é mala".

Não faço ideia de quando usar "kkk" em vez de "rsrsrsrs", não respondo a nenhum "bom dia, grupo", nunca mandei o "negão bem dotado" pra ninguém e não sei quando está na hora de mandar um gif ou um meme. Até outro dia eu nem sabia a diferença entre gif e meme.

Pra piorar meu calvário, inventaram o emoji. Não entendo metade daquelas carinhas, e não consegui achar ocasião específica para usar imagens como o unicórnio, a vela derretendo e a roupa de gueixa.

Sou capaz de romper uma amizade de infância se me enviarem um áudio com mais de um minuto e ainda marcarem meu nome com o emoji de dedo apontando para a mensagem.

Tenho crise de ansiedade quando lembro que aquele amigo que não respondi sabe que eu visualizei.

Sempre lidei com isso como se fosse um problema só meu. Mas há pouco tempo descobri que três amigos sofrem do mesmíssimo problema.

Conforta muito saber que você tem mais alguém com quem dividir essa total inadequação ao WhatsApp. Mostra que realmente você não precisa daquilo pra viver.

"É libertador", como disse um desses amigos ontem no grupo "a gente vive sem WhatsApp".




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



16/12/2017 - Ricos do Brasil, o seu candidato só pode ser o Lula - Clóvis Rossi - Se eu fosse rico, torceria para que Luiz Inácio...
15/12/2017 - Daqui não saio...! - Bernardo Mello Franco - A ministra Luislinda Valois não quer desgrudar da cadeira....
14/12/2017 - A crise brasileira e o passado... - Clóvis Rossi - Todo o formidável progresso dos últimos 50 foi incapaz...
13/12/2017 - Muito além da mala - Bernardo Mello Franco -  Um homem sai apressado de uma pizzaria nos Jardins....
13/12/2017 - Lula é candidato a não ser candidato - Jorge Serrão - É hora de meter a mala e falar a...
12/12/2017 - A inspeção veicular não pode ser outro propinoduto - Jorge Serrão - O Brasil tem o vício maldito de copiar idéias...
11/12/2017 - Aldous Huxley e Shakespeare - admirável mundo novo ----- Theófilo Silva - A belíssima sentença Admirável Mundo Novo, que dá título...
10/12/2017 - O marechal Castelo Branco criticou a fúria carcerária - Elio Gaspari - Em maio de 1965, um coronel que chefiava inquéritos...
10/12/2017 - A complexidade da simplicidade - Carlos SA - “SÁBIO É AQUELE QUE CONHECE OS LIMITES DA PROPRIA...
10/12/2017 - Este Brasil - Janio de Freitas - Ninguém, parece mesmo que ninguém, tenta pensar o Brasil...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca