Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca

O que você espera de 2017?

 
ver todos os resultados
 
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 25 de junho de 2017  


19/06/2017
Os inimigos do óbvio - Nelson Rodrigues

Amigos, uma das coisas mais fascinantes da televisão, no momento, é o programa do Otto. E, lá, aparece de tudo. Do rajá ao sociólogo, do profeta ao camelô, do psiquiatra ao macumbeiro, do santo ao ventríloquo. Dessa irisada complexidade, tira o Otto um charme inimaginável. Ainda não perdi as esperanças de ver, entre os seus convidados, uma foca amestrada, equilibrando laranjas no focinho.

Ontem, o meu fraterno colega entrevistou uma psicanalista sobre um dos problemas mais agudos do nosso tempo: — a juventude. E aí começa o equívoco. “Do nosso tempo” por quê? O jovem sempre foi problemático e, se não é problemático, estejamos certos: — trata-se de um débil mental que deve ser amarrado num pé de mesa. Vamos dar graças a Deus que a nossa juventude tenha um drama, uma angústia, uma tensão dionisíaca ou demoníaca, sei lá.

Mas a psicanalista começa a falar e logo percebemos o seu raro brilho e o seu vasto saber. Por que o jovem está inquieto, tenso, vibrante, explosivo, perplexo e ameaçador? A culpa é da sociedade e da família. Quanto ao próprio jovem, a entrevista não faz uma tênue insinuação ou uma vaga referência. O que importa é apenas a situação social. Como reles coadjuvante, a situação familiar.

E eu então vi subitamente tudo. Imaginei que, diante de uma prova de natação, a psicanalista havia de concluir: — “Quem nada é a piscina e não o nadador”. Minha vontade foi bater o telefone para a TV Globo e dizer: — “Minha senhora, não se esqueça do nadador”. Se vocês admitirem a comparação, eu diria que há, sim, um nadador no problema da juventude. Sim, o que está por trás da família, da sociedade, das gerações é um velho conhecido nosso, ou seja: — o homem.

Os sociólogos do Otto, os psicólogos do Otto, os educadores do Otto, os professores do Otto ainda não chegaram ao ser humano e o ignoram com uma crassa e bovina teimosia. É preciso que alguém lhes escreva uma carta anônima, com o furo sensacional: — “O homem existe! O homem existe!”. E vai ser um susto, um pânico, um horror, quando os citados especialistas perceberem que a besta humana está inserida na nossa paisagem.

Eis a verdade: — todas as segundas-feiras, o programa do Otto apresenta um feroz, um rancoroso inimigo do óbvio. E que dizer do escrete? Passo do Otto para o campeonato do mundo. Amigos, um dos mais graves problemas da seleção era o companheiro de Pelé. Oitenta milhões de brasileiros queimavam os miolos, sem achar a solução. Onde encontrar esse misterioso, utópico, alucinante companheiro?

Não tem perdão a obtusidade com que insistimos em Servílio. Só no jogo com o Peru é que desconfiamos do óbvio ululante. Não havia nenhuma afinidade entre alhos e bugalhos, ou seja: — entre Servílio e Pelé. Mas no dia seguinte todo mundo enxergou, de repente, outro óbvio ainda mais estarrecedor: — Alcindo. O tal companheiro de Pelé, mais esperado do que um messias, era o formidável centauro gaúcho.

Notem que estava na cara. Mas ai de nós, ai de nós! Nunca enxergamos o que está na cara. Alcindo treinava com uma saúde, um élan, uma fome, uma sede, uma fúria sagrada. Se pusessem um paralelepípedo na arquibancada ele diria, com o dedo apontado para Alcindo: — “Esse é o companheiro de Pelé!”. (Nas minhas crônicas, os paralelepípedos têm dedo.) Mas, como eu ia dizendo: — o que um paralelepípedo veria, ao primeiro olhar, nós não víamos. E, por fim, ninguém acreditava mais no tal companheiro. Foi preciso que jogassem o Brasil e a Polônia* , lá no Mineirão. E o óbvio baixou, de repente, no estádio. Não há mais dúvida, não há mais nada. O jogador que o óbvio escala é inarredável, irreversível, assim na terra como no céu.

[O Globo, 8/6/1966] 

* Brasil 4 x 1 Polônia, 5/6/1966, no Mineirão. 

 




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



23/06/2017 - Um escrete de feras - Nelson Rodrigues - De vez em quando, alguém me pergunta: — “Existe...
21/06/2017 - A invisibilidade do óbvio - Nelson Rodrigues - Eu ia começar esta crônica dizendo o que mesmo?...
20/06/2017 - A Copa do apito - Nelson Rodrigues - Amigos, eis uma verdade inapelável: — só os subdesenvolvidos...
03/06/2017 - Beijos Imaculados - ainda e sempre o Bi - Nelson Rodrigues - Amigos, falemos ainda e sempre do bi. Normalmente, cada...
01/06/2017 - O Eichmann do apito - Nelson Rodrigues - O EICHMANN DO APITO. Amigos, vencemos o Chile* . E,...
31/05/2017 - O "Possesso" Nelson Rodrigues - Amigos, não é hora de escrever bem. Fosse eu...
24/05/2017 - O bandeirinha artilheiro - Nelson Rodrigues - Amigos, ontem foi o lírico domingo dos velhos. Aqui,...
23/05/2017 - Corrida maio amarelo com inscrições abertas - Como parte das atividades de conscientização para um trânsito...
19/05/2017 - Cem por cento Dida - Nelson Rodrigues - O placar do Flamengo é de assustar* : —...
17/05/2017 - Taça Brasilia de Futsal. É hoje! - Fábio da Abarka - Hoje no Ginásio de Esporte de Sobradinho temos a...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca