Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 23 de maio de 2019  


16/02/2019
O Rosa encarnado - Álvaro Costa e Silva

Em 1966, durante um congresso do PEN Club em Nova York, Guimarães Rosa teve uma longa conversa ao pé do ouvido com o poeta Haroldo de Campos. Concreto até a medula, Haroldo se espantou com a dissertação sobre o diabo e seus inúmeros sinônimos (o Cramulhão, o Galhardo, o Coisa-Ruim, o Tisnado, o Coxo, o Pé de Pato, o Sem Gracejos, o Marrafo) e com a possível encarnação de Rosa: "Quando me vem a ideia de escrever, fico louco, rolo no chão, luto com o demo e, sob aquele impacto, eu escrevo".

Possuído ou não, Guimarães Rosa tinha método. Num caderninho, anotava histórias, significados, curiosidades. Pesquisava a matéria de ficção e consultava pessoas de confiança —a principal delas, o vaqueiro Manuel Nardy, imortalizado como Manuelzão. Antes de escrever, passava pelo processo de "limpar o aparelho", rabiscar, desenhar, pôr no papel palavras sem sentido até que o santo baixasse.

A Otto Lara Resende, Rosa contou que "Grande Sertão: Veredas" —sua obra-prima publicada em 1956, que está voltando às livrarias em nova edição— era para ser um conto ou no máximo uma novela, que integraria o ciclo de "Corpo de Baile", lançado naquele mesmo ano. Ele tinha a narrativa curta toda esquematizada na cabeça, mas, na hora de escrever, ela foi crescendo e não quis parar mais. Uma espécie de delírio que durou dias seguidos, até a conclusão do livro.

Com sua invenção linguística e sintaxe original, o romance é tido como difícil, embora apresente um enredo de faroeste hollywoodiano. Costuma ser desprezado com argumentos preguiçosos, de quem se orgulha ao dizer: "Não li e não entendi". No entanto, como notou o escritor cubano Guillermo Cabrera Infante, ali está um mundo "realmente mágico". Um mundo próprio no qual nós, leitores, somos convidados a entrar.

Experimente fazer como o autor. Adote uma concepção mediúnica de leitura. A viagem é garantida.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



21/05/2019 - Base legal da COMDEMA - Professor José Leitão - Base legal da COMDEMAA constituição da Comissão de Defesa...
06/05/2019 - Canudos e plásticos deverão ser trocados em 18 meses - O Governo do Distrito Federal (GDF) sancionou, nesta segunda-feira...
29/04/2019 - Filmes gratuitos no Planetário de Brasília neste feriado - O brasiliense que já está fazendo planos para o...
13/04/2019 - O caso Danilo Gentilli - Luis Francisco Carvalho Filho - Não li e não gostei. A sentença que condena Danilo...
09/04/2019 - Premio Olhar Brasília de Fotografia - O Prêmio Olhar Brasília de Fotografia, promovido pelo site http://www.olharbrasilia.com e...
08/04/2019 - Por que têm tanto medo de Lula livre? - Luiz Inácio Lula da Silva - Faz um ano que estou preso injustamente, acusado e condenado por...
30/03/2019 - Liberdade é não ter que trabalhar - Mário Sérgio Conti - Num país longínquo, uma farsa burlesca sobre o estado...
22/03/2019 - Cultura liquida das aparências - Ruben Shirassu Júnior* - Alguns acontecimentos da segunda metade do século XX, como...
21/03/2019 - Preso ex-presidente Michel Temer - A Força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro...
15/03/2019 - Cadastro Único - Quase metade dos moradores do Distrito Federal que recebem...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca