Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 23 de maio de 2018  


04/04/2017
Me implora pra ficar - William Santiago*

     Uma palavra que fosse, mas não disse nada. Apenas desejou boa viagem – e parecia sincero. Ela aperta contra o peito a bolsa com o cartão de embarque dentro e aguarda a chamada. Os olhos buscam, mais uma vez, o relógio do aeroporto. Faltam cinquenta minutos para o seu voo. No quadro das partidas e chegadas, nome de cidade que não acaba mais, horários e locais mudando sempre, cada vez que a voz maquiada do serviço de som anuncia alguma coisa. O mundo é enorme, a gente -  pequenina - é uma só.

     Folheia a revista que não lê. Cheiro de nova. Qualquer ruído de passos se aproximando a distrai. A cabeça gira, volta à revista, volta ao quadro, volta ao relógio, à gente sentada ao seu lado, todos esperando. Uma palavra que fosse... Mas que fosse logo.

     A bagagem já foi despachada. Aproxima-se a hora da decolagem. Trinta e cinco minutos? E se alguém, como no cinema, a polícia, por engano, a prendesse? Uma detenção, um interrogatório, se atrasaria, o avião não iria esperar... Ou iria? Uma chance a mais. E não seria culpa sua. Voltar dos Estados Unidos, não. Isso não iria acontecer. Sua irmã já tinha tudo arrumado, lá era mamão com açúcar. No anular esquerdo emagrecido, a aliança frouxa escorrega até o nó do dedo. Uma palavra que fosse... Que fosse, então, agora. Já.

     Quando a voz maquiada chama o seu voo, ainda olha para os lados. Levanta-se. Tipo charme discreto, mesmo sem precisar, tira os cabelos do rosto. Olhada rápida, desencargo de consciência, última vez. Dinheiro miúdo nem restinho de esperança vão servir no estrangeiro. Tem que gastar aqui seus últimos centavos de tudo.

     Ao pegar a fila, lembra-se dos bois indo para o matadouro. Mas vai pra Nova York. A mão direita esfrega a aliança para cima e para baixo, gesto obsceno. O relógio do aeroporto podia estar adiantado, vira-se, sai da fila, ainda dá tempo de ir à lanchonete. (Quem sabe o trânsito, choveu muito de madrugada)

     - Mineral com gás, por favor.

     Embarcando sim, fazer o que? O último degrau da escada. Os comissários de bordo recebendo na porta do avião, as moças pintadas, impecáveis, de roupas passadinhas. (Já houve caso de atrasarem o voo por mil razões, boato de bomba, doença, morte de passageiro... Será que por alguém que desistisse de viajar, já dentro do avião, o voo fechado? Só em filme, na certa.).

     Todos acomodados, o piloto dá as boas vindas pelo som interno, manda apertar os cintos e não fumar. Começam as instruções de segurança. Faz o que mandam, engole em seco, agora nem com mil palavras. "It's too late, baby!". Olha pela janela, de relance percebe o chuvisco na pista, mas ninguém tentando interceptar o avião, tira a aliança e a põe na bolsa. Suspira fundo, balança a cabeça. Com o coração e o anular esquerdo livres, pela primeira vez em muitos anos, abre a revista e se concentra numa reportagem sobre a vida noturna em Manhattan, restaurantes, night-clubs, teatros, diversões para solteiros, essas coisas todas que vai ter de conhecer de novo, daqui para frente. 

*Escritor e poeta, filho de Pitangui-MG, radicado em Brasília e cidadão do mundo.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



07/05/2018 - A Virada do Cerrado vem ai... - Com a coleta seletiva e a gestão de resíduos...
07/05/2018 - Atividades do Centro de Dança de Brasília - Artistas e grupos de Brasília que queiram se apresentar...
18/04/2018 - Mário Quintana - VIAGEM FUTURAUm dia aparecerão minhas tatuagens invisíveis:marinheiro do além,...
16/04/2018 - VIDA - Mário Quintana - Não seio que querem de mim essas árvoresessas velhas...
14/04/2018 - Viagem antiga - Mário Quintana - Aqui e alireses pastando imóveiscomo num presépioa mata ocultando...
11/04/2018 - Os poemas - Mário Quintana - Os poemas são pássaros que chegamnão se sabe de...
26/03/2018 - Tom Zé maravilhoso - Neusa chorava de desespero em frente ao computador quando Tom...
17/03/2018 - Brazilian Blues Band hoje no Arte na Praça - José Edmar - O Projeto ARTE NA PRAÇA terá momentos musicais muito...
16/02/2018 - Curso Internacional de Verão da Escola de Música - Com 3.280 inscritos, o 39° Curso Internacional de Verão da...
30/01/2018 - Selecionados do FAC tem prazo para documentação - Setenta e um projetos foram aprovados na seleção do Fundo...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca