Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 24 de maio de 2018  


10/05/2018
A bomba de verdade é Donald Trump - Clovis Rossi

O que mais assusta na decisão de Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo com o Irã não são apenas as sinistras consequências que um punhado de especialistas está antevendo.

O que assusta é ver como um cidadão absolutamente despreparado assume a Presidência da maior potência do planeta e faz o que lhe dá na cabeça, sem ligar a mínima para as informações disponíveis a respeito dos assuntos sobre os quais decide.

O risco maior, acho eu, não está na geopolítica ou na ciência econômica mas na psicopatologia do presidente.

Não é uma opinião isolada. Leia-se, por exemplo, o que escreveu Stephen M. Walt a respeito da decisão: "Como há muito se esperava, Donald Trump curvou-se a seu ego, à sua petulante inveja de Barack Obama, a seus doadores linha-dura, a seu novo conjunto de assessores falcões e, acima de tudo, à sua própria ignorância".

Walt não é um desses intelectuais livre atiradores, de alguma universidade secundária. Ele é professor de Relações Internacionais na mitológica Universidade Harvard.

Quando um intelectual com esse perfil chama o presidente de ignorante, fica evidente que há razões para o mundo todo se inquietar. Não só pelo dossiê iraniano, mas pelo fato de que as lamentáveis características que Walt listou em Trump tendem a fazer o ocupante da Casa Branca aplicar sua ignorância a qualquer outro tema.

O caso do acordo com o Irã é paradigmático da irracionalidade que determina as pulsões do ego de Trump. Qual é o objetivo de Trump e de praticamente toda a comunidade internacional? Impedir que o Irã alcance a bomba pelo menos no curto prazo.

Ora, até o acordo de 2015, todos os serviços de inteligência calculavam que, no ritmo em que então desenvolvia seu programa nuclear, Teerã levaria de três meses a um ano para chegar à bomba.

O acordo adicionou pelo menos dez anos à essa perspectiva. "É um ganho líquido em relação à ameaça nuclear posta pelo Irã", comenta Judah Grunstein, editor-chefe da World Politics Review.

Saindo do acordo, Trump joga esse ganho no lixo, a menos que os outros países participantes do pacto —os europeus, Rússia e China— consigam convencer os iranianos de que continuarão cumprindo o assinado em 2015, façam o que façam os Estados Unidos.

Como essa não é a hipótese mais provável, vale a perspectiva desenhada em Slate por Ilan Goldenberg (Centro para uma Nova Segurança Americana) e Ariane Tabatabai (Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais): os dois acreditam que não haverá uma imediata ofensiva iraniana para desenvolver suas atividades nucleares.

Mas esperam que o Irã retome incrementalmente suas atividades pré-acordo, o que, em algum momento, colocará americanos e aliados ante o dilema de "ou aceitar um Irã nuclearmente armado ou partir para uma ação militar para brecá-lo".

Quando um ego exacerbado, a inveja do antecessor, a petulância e a ignorância —como aponta Stephen Walt— determinam as decisões do presidente da maior potência do planeta é óbvio e inevitável que o mundo fique menos seguro.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



10/05/2018 - A baixa na alta - Janio de Freitas - O comentário sobre a desistência de Joaquim Barbosa cabe em uma...
23/03/2018 - O Facebook e a revolta dos produtos - Roberto Dias - “Move fast and break things”, eis o motto que agigantou o Facebook. A empresa seguiu-o...
21/03/2018 - SOS Mata Atlântica - A Fundação SOS Mata Atlântica convida para a mesa...
21/03/2018 - 8º Fórum Mundial da Água. Violações do Brasil ao direito à água - O Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), a Artigo 19,...
27/01/2018 - Uma nova geração de magistrados pede passagem - Espantado com o julgamento do TRF-4 na data de...
25/01/2018 - Créditos do Nota Legal até 31 - Os consumidores cadastrados no Nota Legal têm uma semana (até 31...
23/01/2018 - Seta e celular os preferidos do DRONE - Em um mês de testes com dois drones, o...
05/12/2017 - Generais preocupados com a insegurança - Jorge Serrão - Desde a  manhã desta segunda-feira até quinta-feira o dia todo,...
27/11/2017 - O PMDB que expulsou... - Elio Gaspari - Por unanimidade, o Conselho de Ética do PMDB decidiu...
22/11/2017 - Doutor Segóvia, por qué no te callas? Elio Gaspari - O doutor Fernando Segovia começou seu mandarinato com dois...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca