Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 21 de agosto de 2019  


04/06/2019
Erasmo Carlos

O filme "Sementes da Violência" (1955) me apresentou o rock 'n' roll pela primeira vez. Foi muito útil, porque além de me mostrar na trilha sonora a música "Rock Around the Clock", do Bill Haley & His Comets, ele ainda me colocou em contato com o comportamento da juventude americana.

Aqui no Brasil, eu era um cara comportado para caramba. O filme despertou em mim uma inconformidade, uma ânsia de liberdade que existia aqui dentro e eu não sabia. A partir daí, não tive dúvida em relação ao rock: era aquilo mesmo.

"Sementes da Violência" ensinou toda a minha geração a decidir sobre suas próprias coisas, a saber de seu modo de vida, a usar o cabelo como queria, a ouvir a música que queria, sem a ditadura dos pais. Para mim, o "Rock Around the Clock" acabou com o patriarcado e inaugurou a democracia nos lares.

A partir desse momento, eu deixei de ser tão comportado. Claro, conservei o radical do certo e do errado, como o "não matarás", mas o resto passei a duvidar. Comecei a ter opensamento livre —aliás, essa é a única coisa que você tem livre na vida.

O filme era uma direção de Richard Brooks [de "Gata em Teto de Zinco Quente"], com Sidney Poitier, que fazia o papel do rebelde sem causa que se regenera, e Glenn Fordcomo o professor de uma classe de jovens completamente desajustados.

O filme provocou uma reação em cadeia, de uma juventude presa se soltando. Por algum motivo, ele acordava a violência nos jovens: em todo lugar, as pessoas dançavam na sala feito loucas, quebravam coisas no cinema, totalmente fora de si.

A partir de certo momento isso virou até um modismo, fazia-se essa bagunça para imitar o outro amigo que fez. De qualquer modo, era uma libertação: sim, nós podemos.

Eu era menino ainda, tinha uns 14 ou 15 anos, um dos mais mocinhos a ir assistir ao filme no cinema. Eu mais observava atônito a baderna dos mais velhos do que praticava esses exageros. Tinha gente que entrava de motocicleta dentro do cinema!

Lembro até que o filme era proibido para menores de 18 anos, então demorei à beça para conseguir entrar. Lá no bairro da Tijuca, no Rio, eu e minha turma costumávamos dar um golpe. Esperávamos a sessão acabar e entrávamos de costas, conforme as pessoas deixavam a sala. Pensavam que a gente estava saindo, mas estávamos entrando.

Nessa época eu era estudante, não pensava em nada. Então o filme deu a direção musical da minha vida, que depois se tornou minha profissão. Ali eu ouvi o rock e fiquei escravo.

Depois disso as coisas foram se desenrolando. "Rock Around the Clock" começou a tocar no rádio; vieram outros filmes de rock, como "Ao Balanço das Horas" (1956). Não tinha rock nas rádios, só em programas especializados; depois daí passou-se a tocar, e começaram a aparecer as primeiras bandas de rock no Brasil, como Renato e Seus Blue Caps e The Jet Blacks.

Elvis Presley veio depois para a gente. E já me influenciou de outro jeito, dando a imagem, a vestimenta daquele ritmo. Junto com Marlon Brando, ele veio com a roupa de couro, a irreverência, as costeletas, a camisa de gola alta e manga dobrada.

E eu passei a me identificar com uma porção de amigos que também gostavam daquilo e que tiveram a mesma sensação no filme. Passei a ter minhas turmas, e a coisa foi embora por aí. Nesse tempo só tinha uma tribo, com que todos se identificavam. Hoje tem rock assim, rock assado. Ali era quem gostava de rock e quem não gostava. Nós e eles.

Eu tenho o maior orgulho de ter visto o nascer do rock 'n' roll.Encaminhado por Carlos SA.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



13/07/2019 - Derrota no terceiro turno - Demétrio Magnoli - O terceiro turno das eleições presidenciais foi disputado na...
21/06/2019 - Desculpe, Whitney - Djamila Ribeiro - Eu fiz uma escolha política de abordar temas como...
10/06/2019 - As conversas da Lava Jato - Celso Rocha de Barros - O site Intercept Brasil divulgou neste domingo (9) o conteúdo de...
20/11/2018 - Engarrafamento gigante na manhã de hoje na BR-020 - Um acidente envolvendo uma carreta que transportava milho, uma...
10/11/2018 - Temer vetará o reajuste STF/PGR? Jorge Serrão - Michel Temer tem a oportunidade de entrar para a...
07/11/2018 - Vamos falar de música? - Reinaldo Figueiredo - É tempo de mudar de assunto e partir para...
29/10/2018 - Bolsonaro presidente - Jorge Serrão - O Brasil tem um novo Presidente eleito democraticamente. Jair...
22/10/2018 - Um soneto - William Shakespearetradução de Geraldo CarneiroNão tenha eu restrições ao...
26/09/2018 - Macaco Simão...Urgente - Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!Frase...
03/09/2018 - Rosário de desgraças no pescoço do Brasil... - Por Jacob Fortes - Diriam as cinzas do Museu Nacional, Rio de Janeiro: um...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca