Busca:
   Acontece
   Artigos
   Condomínios
   Entrevistas
   Fazendo Arte
   Galeria
   Gente
   Opinião
   Promoções
   Sobradinho
   Sobradinho II
   Úteis
   Vale a pena acessar
   Esporte
   Sobradinho 48
   Planaltina
   Paranoá
   cobertura
Busca
Busca
Receba em seu e-mail as atualizações de nosso blog
Nome
E-mail
cadastrar desativar
 
  Regras do Blog | Perfil do tpadua 18 de julho de 2018  


23/03/2018
O Facebook e a revolta dos produtos - Roberto Dias

“Move fast and break things”, eis o motto que agigantou o Facebook. A empresa seguiu-o à risca: mexeu-se rapidamente e quebrou coisas. Só agora começa-se a entender direito o que foi quebrado.

Se alguém ainda acha que a vitória de Trump não passou pela rede social é porque não está prestando atenção —e com isso cada um pode montar sua lista de coisas quebradas.

Seja qual for essa lista, ela deverá contemplar a evidente quebra de confiança entre o Facebook e os usuários. Nessa crise, a reação da empresa foi tardia, insuficiente e atrapalhada. Começou com uma falácia: a de que não teria havido “vazamento de dados”, uma vez que ocorreu exatamente o que havia sido programado. Trata-se de elipse lógica. O buraco, pois, é mais em cima.

Quem fica mais em cima precisou ser tirado quase a fórceps do silêncio. Mark Zuckerberg pronunciou-se apenas nesta quarta (21), e basta olhar os comentários em seu post para perceber que não ganhou corações e mentes.

O alcance do Facebook é sem paralelo. Tanto pela quantidade de dados individuais que congrega quanto pelo porte mundial: 2,1 bilhões de pessoas utilizam seu serviço ao menos uma vez por mês (a título de comparação, os católicos liderados pelo papa Francisco somam 1,3 bilhão).

No caso do Facebook, porém, os usuários não são nem fiéis nem consumidores, já que nada pagam.

Uma boa definição para eles apareceu na boca de um membro do Conselho de Administração do Facebook, Jan Koum, principal criador do WhatsApp, adquirido pela empresa de Zuckerberg por US$ 19 bilhões.

Antes de embolsar o dinheiro, ele era claro sobre o que achava de uma relação “gratuita” como a existente entre o Facebook e seus usuários: “Lembre-se, quando publicidade está envolvida, você é o produto”. Koum continua bem quietinho no meio da crise. Mas a revolta dos produtos está ruidosa como nunca.




« voltar  |  Enviar este conteúdo  |  Imprimir este conteúdo  |  Comentar esse conteúdo  |  



SEM COMENTÁRIOS



23/06/2018 - Virada do Cerrado 2018 - A partir de sexta-feira (29), diversas regiões administrativas de...
13/06/2018 - Decifrando a Copa do Mundo de Vladimir Putin - O mundo entra em ritmo de Copa, o que sempre...
12/06/2018 - As boas do Cicim - Cícero Ferreira - O DF TEM 2 MILHÕES DE ELEITORESEleitor, não se...
10/05/2018 - A bomba de verdade é Donald Trump - Clovis Rossi - O que mais assusta na decisão de Donald Trump...
10/05/2018 - A baixa na alta - Janio de Freitas - O comentário sobre a desistência de Joaquim Barbosa cabe em uma...
21/03/2018 - SOS Mata Atlântica - A Fundação SOS Mata Atlântica convida para a mesa...
21/03/2018 - 8º Fórum Mundial da Água. Violações do Brasil ao direito à água - O Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), a Artigo 19,...
27/01/2018 - Uma nova geração de magistrados pede passagem - Espantado com o julgamento do TRF-4 na data de...
25/01/2018 - Créditos do Nota Legal até 31 - Os consumidores cadastrados no Nota Legal têm uma semana (até 31...
23/01/2018 - Seta e celular os preferidos do DRONE - Em um mês de testes com dois drones, o...
Destaques
Registros Históricos - Carlos I.S. Azambuja
São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como...



Pólo de Cinema. O sonho não acabou, ainda - Pedro Lacerda*
Não é a primeira vez que alguém tenta acabar com o sonho do Pólo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, localizado em nossa Sobradinho. Desta vez, nos parece que é o próprio governo que está pretendendo dar um fim...



Marcada para segunda-feira,4, Audiência Pública para tratar do Ribeirão Sobradinho
Está marcado para acontecer dia 4 de novembro, uma segunda-feira, Audiência Pública proposta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal exclusiva para tratar do Ribeirão Sobradinho. O evento será às 15 horas na Casa do Ribeirão Q. 9 Área Especial, frente para...



Busca